Adut Akech, o novo ícone das passarelas que nasceu num campo de refugiados da ONU

Grandes marcas têm apostado em mudanças nos padrões de beleza e em mensagens políticas. Adut Akech, refugiada do Sudão, insere-se nesse leque.

Adut Akech, o novo ícone das passarelas que nasceu num campo de refugiados da ONU

Grandes marcas têm apostado em mudanças nos padrões de beleza e em mensagens políticas. Adut Akech, refugiada do Sudão, insere-se nesse leque.

«A minha pele é muito escura. Inclusive para os parâmetros de outras pessoas negras. Agora que estou a viver em Nova Iorque, param-me na rua. Sobretudo os negros. E dizem-me que gostariam de que a pele deles fosse como a minha. É como o chocolate mais puro.» A descrição é feita pela modelo Adut Akech, refugiada do Sudão que tem sido escolhida por grandes marcas para desfiles e campanhas. Foi o caso da Chanel que a escolheu para abrir um desfile de lançamento de coleção. Adut chegou mesmo a ser escoltada pelo próprio Karl Lagerfeld, um dos génios criativos da Casa Chanel, que morreu recentemente.

LEIA DEPOIS
Modelo em cadeira de rodas brilha na Semana de Moda de Nova Iorque
Modelo em cadeira de rodas brilha na Semana de Moda de Nova Iorque

Refugiada Adut passou por vários campos da ONU até ser descoberta

A presença nos maiores eventos de Moda da primavera e da próxima temporada confirma que Akech já está na lista exclusiva. Marcas como Loewe, Givenchy, Valentino e Miu Miu são algumas para as quais desfilou. Seguiram-se Versace, Prada, Calvin Klein e Giambattista Valli, que confiaram nela para lançar as coleções do próximo inverno. A campanha de verão da Zara também conta com a jovem modelo. Adut nasceu em Kakuma (na fronteira entre o Quénia e o Uganda), um campo que abriga 187 mil refugiados da guerra civil do Sudão. Antes de ter sucesso na passarela, passou por vários campos da ONU até que chegou a Adelaide (na Austrália). Era a única de cinco irmãos que podia ir à escola, privilégio proibido no campo de refugiados em que vivia.

Moda cada vez mais ávida por rostos que rompam com o padrão

«Aproveitávamos a luz do dia para estudar, já que de noite só tínhamos uma lâmpada a óleo», contou em entrevista à revista Vogue Itália. Akech viu a sorte mudar quando um caçador de talentos a encontrou e a colocou nas passarelas. A estreia foi em Saint Laurent, no desfile primavera-verão 2017. Desde então, não parou mais. Foi o exótico tom da pele que a ajudou a convencer uma indústria da Moda cada vez mais ávida por rostos que rompam com o padrão clássico.

LEIA MAIS
Gémeo emagrece 30 quilos para salvar a vida do irmão
Gémeo emagrece 30 quilos para salvar a vida do irmão

Impala Instagram


RELACIONADOS