Menino de sete anos envenenado pela mãe já voltou à escola

Está a recuperar muito lentamente, em Lisboa, o menino de sete anos envenenado pela mãe, já depois de ter tido alta do do Hospital D. Estefânia.

Menino de sete anos envenenado pela mãe já voltou à escola

Menino de sete anos envenenado pela mãe já voltou à escola

Está a recuperar muito lentamente, em Lisboa, o menino de sete anos envenenado pela mãe, já depois de ter tido alta do do Hospital D. Estefânia.

O menino de sete anos envenenado pela mãe teve alta do Hospital D. Estefânia, onde estava internado. A criança já terá, inclusive, de acordo com o CM, regressado à escola, em Óbidos. A criança ainda inspira cuidados, uma vez que as sequelas do envenenamento são de recuperação lenta. A substância altamente tóxica injetada por Patrícia Ribeiro, de 27 anos, ao próprio filho – para chamar o ex-namorado à atenção – provocou-lhe várias paragens cardíacas, insuficiência renal, hepática e respiratória. Ao voltar às aulas, o rapaz ainda respirava com a ajuda de garrafa de oxigénio, mas atualmente já respira sozinho.

LEIA DEPOIS
Previsão do tempo para este domingo, 3 de novembro

Menino de sete anos envenenado pela mãe acompanhado pela Proteção de Menores

A criança está a ser acompanhada pela Comissão de Proteção de Menores e está a ser seguida por psicólogos. Ficou à guarda do pai, bombeiro no quartel de Óbidos, onde a mãe também trabalhava. Patrícia Ribeiro foi submetida a avaliação psicológica na ala de psiquiatria do Hospital-Prisão de Caxias e foi depois transferida para a cadeia de Tires, onde está em prisão preventiva. Os motivos que levaram a mulher a envenenar o filho estariam relacionados com uma tentativa desesperada de se reconciliar com o ex-namorado. Tentava fazer crer ao ex-companheiro que sofria com a doença do filho.

LEIA TAMBÉM
Português assassinado na Suíça tinha ligações a Cristiano Ronaldo e a outros famosos [fotos]

Veneno «era água-benta»

Os maus-tratos começaram em abril deste ano, quando a mulher empurrou o filho para um tanque, numa escola de mergulho em Peniche. A criança salvou-se com a ajuda de colegas de Patrícia Ribeiro. Até ao final de junho, o menino de sete anos envenenado pela mãe foi ingerindo clorofórmio, que a agressora dizia ser água-benta. Teve a primeira paragem cardíaca em 18 de junho, em Óbidos. Levado para o hospital das Caldas da Rainha, viria a ser transferido para o hospital pediátrico D. Estefânia, em Lisboa. Foi lá que a mulher foi apanhada.

LEIA MAIS
Vai espalhar cinzas da avó e atira-se ao mar ao ver algo inesperado [vídeo]
Florbela Queiroz devastada com tumor cerebral do sobrinho

Impala Instagram


RELACIONADOS