Lion Air | Queda de Boeing deveu-se a falhas no aparelho, formação e manutenção

Uma investigação indonésia concluiu que a queda de um avião da Lion Air, que matou 189 pessoas há um ano, deveu-se a uma combinação de falhas no projeto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

Lion Air | Queda de Boeing deveu-se a falhas no aparelho, formação e manutenção

Lion Air | Queda de Boeing deveu-se a falhas no aparelho, formação e manutenção

Uma investigação indonésia concluiu que a queda de um avião da Lion Air, que matou 189 pessoas há um ano, deveu-se a uma combinação de falhas no projeto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

Investigação indonésia concluiu que a queda de um Boieng da Lion Air, que matou 189 pessoas há um ano, se deveu a uma combinação de falhas no projeto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção. O relatório final do acidente, hoje divulgado, refere que o avião 610 da Lion Air, que ligava a capital da Indonésia à ilha de Sumatra, caiu porque os pilotos nunca foram informados sobre a forma de responder rapidamente a falhas no sistema de controlo automatizado do jato Boeing 737 Max 8.

LEIA DEPOIS
Bebé sem rosto. Rodrigo não ouve e só respira pela boca

Avião mergulhou no mar de Java apenas 13 minutos após levantar voo

Segundo o Comité Nacional de Segurança em Transportes da Indonésia, o sistema automatizado, conhecido como MCAS, contava com um único sensor de “ângulo de ataque” que fornecia informações erradas, empurrando automaticamente o nariz do avião para baixo. O relatório também identificou falhas anteriores, como o facto de o avião – que tinha começado a ser usado há apenas dois meses – ter tido problemas nos últimos quatro voos, incluindo um no dia anterior ao acidente fatal. O avião mergulhou no mar de Java apenas 13 minutos após levantar voo, em 29 de outubro de 2018.

Boieng sob pressão

O relatório da Indonésia surge depois de um outro, divulgado em setembro por investigadores dos Estados Unidos, que concluiu que a Boeing e a Administração Federal de Aviação subestimaram a forma como demasiados avisos visuais e auditivos retardaria a capacidade de resposta dos pilotos.

Cinco meses depois do acidente na Indonésia, o mesmo tipo de avaria causou a queda de um jato Max na Etiópia, matando as 157 pessoas que estavam a bordo. Depois disso, todos os jatos 737 Max foram suspensos, o que colocou a Boeing sob intensa pressão para explicar os problemas associados ao sistema MCAS. A Boeing informou recentemente que os seus resultados caíram 51% no terceiro trimestre, para 1,1 mil milhões de dólares (cerca de mil milhões de euros) devido, sobretudo, a um aumento dos custos com o Max.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para sexta-feira, 25 de outubro
Aluna de 14 anos agride professora em escola na Maia

Impala Instagram


RELACIONADOS