Filho transexual de governador do Rio sente vergonha do pai

O governador defende a execução de criminosos armados e é contra casamento entre pessoas do mesmo sexo. Filho transexual diz que sente vergonha do pai.

Filho transexual de governador do Rio sente vergonha do pai

Filho transexual de governador do Rio sente vergonha do pai

O governador defende a execução de criminosos armados e é contra casamento entre pessoas do mesmo sexo. Filho transexual diz que sente vergonha do pai.

Erick Witzel, filho transexual de Wilson Witzel, o governador do Rio de Janeiro eleito no dia 28 de Outubro, diz que teve “vergonha alheia” do pai nos debates.

O candidato, ao longo das eleições adotou um discurso xenófobo. Wilson Witzel é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O filho afirma ter sentido que perdeu o pai quando o viu numa fotografia em que dois apoiantes de Jair Bolsonaro destruíam uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, executada em março. “Quando eu vi a foto ainda não aparecia o Wilson [o filho refere-se ao pai pelo nome], depois investiguei o contexto e ele estava lá, eles vibravam e cantavam”. Depois da polémica da fotografia, o governador eleito pediu desculpas à família de Marielle pela atitude.

LEIA MAIS: Jogador morto e torturado no Brasil tirou fotos com a mulher do assassino

“A minha relação com o meu pai sempre foi fria e distante mas pacífica”, conta Erick. Há 24 anos nasceu como menina mas mudou de sexo. Este ano registou oficialmente a troca de nome próprio. Em entrevista ao portal UOL, Erick conta que os últimos dois meses viraram a sua vida de cabeça para baixo. “Eu não queria a minha imagem e a minha condição de género associadas às causas dele”, afirma.

Desde então, Erick convive com mensagens de ódio nas redes sociais. É acusado de ser “a vergonha da família” e mandam-no “voltar para o armário”.

Filho transexual revolta-se e participa em ações políticas

Erick tem vindo a interessar-se mais por ações políticas completamente opostas às do seu pai. “Ele disse que preservaria a família e que seria contra a ideologia de género, acho que vai haver uma caçada à população LGBT, serão tempos de muita luta, eu serei oposição até ao final”.

LEIA MAIS: Linha para vítimas de violência doméstica recebe mais de 59 mil chamadas

Texto: Redação WIN - Conteúdos Digitais

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS