António Joaquim em liberdade arrepende-se da relação com Rosa Grilo

António Joaquim foi colocado em liberdade na sexta-feira, 6 de dezembro, depois de lhe terem sido alteradas as medidas de coação. Em entrevista a Hernâni Carvalho, elogia a ex-mulher e diz-se arrependido de se ter divorciado «do nada».

António Joaquim em liberdade arrepende-se da relação com Rosa Grilo

António Joaquim em liberdade arrepende-se da relação com Rosa Grilo

António Joaquim foi colocado em liberdade na sexta-feira, 6 de dezembro, depois de lhe terem sido alteradas as medidas de coação. Em entrevista a Hernâni Carvalho, elogia a ex-mulher e diz-se arrependido de se ter divorciado «do nada».

António Joaquim foi colocado em liberdade na sexta-feira, 6 de dezembro, depois de lhe terem sido alteradas as medidas de coação aplicadas pelos juízes do Tribunal de Loures. Depois de ter estado detido mais de 400 dias. o ex-amante de Rosa Grilo foi entrevistado por Hernâni Carvalho a quem revelou como soube que iria deixar a prisão.  Estava no parlatório (local onde os reclusos recebem as visitas dos advogados) do Estabelecimento Prisional Anexo à Polícia Judiciária, reunido com os advogados de defesa quando a reunião entre ambos foi interrompida por um dos guardas: «Sr. António, tenho de o levar de urgência ao chefe dos guardas, disse-me o guarda prisional que interrompeu a reunião. Nem me despedi da Drª. Joana Sousa», começou por contar.

LEIA DEPOIS
Ativista portuguesa expulsa do Sahara Ocidental chega amanhã a Lisboa

No percurso até ao local onde iria receber indicações do chefe dos guardas, António Joaquim passou por diversos outros reclusos que lhe disseram que ia sair em liberdade, pois já estava a ser noticiado em todos os órgãos de comunicação social. «À medida que passávamos pelos corredores, os outros reclusos gritavam-me: ‘Vais sair!’. Não acreditei. ‘Vais-te embora!’, pensei que fosse brincadeira, mas eles insistiam: ‘Está a dar nas notícias…’ O guarda nada me disse até chegar ao gabinete do chefe dos guardas que me disse: ‘Sr. António chegou uma ordem da juíza para ser imediatamente libertado! Arrume as suas coisas que o senhor vai-se embora daqui agora’. Só aí é que acreditei que ia acabar tudo…».

Os últimos momentos na prisão

António Joaquim voltou à cela onde esteve mais de 400 dias sem nunca dirigir a palavra aos outros reclusos. Agarrou nos seus pertences, ofereceu a televisão a um dos colegas e saiu. «Já não me deixaram contactar com mais ninguém. Fui à cela, meti tudo num saco de plástico, dei a TV a um companheiro e fui à secretaria. Aí, tomei conhecimento oficial do mandado de libertação e assinei o Termo de Identidade e Residência. Devolveram-me o dinheiro, a carteira e o cinto que tinha quando fui preso», afirma.

O ex-amante de Rosa Grilo conta ainda que foi levado para uma saída alternativa e deixado em frente a uma praça de táxis. «Não tenho de estar aqui, nunca tive de estar aqui! Finalmente!», foram os primeiros pensamentos de António Joaquim ao sair da prisão.

A mulher que nunca foi esquecida

António Joaquim contou a Hernâni Carvalho que, quando recebeu a notícia da sua libertação, pensou logo na ex-mulher e nos filhos. «Foi um turbilhão», disse. «Vieram-me logo à cabeça a Nanda e os meninos. Ela, que, mesmo divorciada, nunca deixou de me visitar e de me levar os filhos. Ela que esteve presente quando quase todos me faltaram», revela.

António assume que errou com Fernanda e percebe a decisão dela em pedir o divórcio. Ainda assim, volta a referir que a ex-mulher nunca lhe faltou e que sempre lhe levou à prisão tudo o que ele pedia, incluindo a visita dos filhos.

Recebido pela mãe

Ao sair da prisão, António Joaquim entrou dentro do primeiro táxi que lhe apareceu à frente e pediu que o levasse à morada da casa de familiares no Ribatejo. Durante o percurso, foi olhando para as ruas, vendo o céu e as pessoas.  À chegada ao Ribatejo, a casa de familiares, foi recebido pela mãe que o abraçou em lágrimas. «Quando cheguei aqui vi a minha mãe. Abracei-a e fui para um quarto. Não quis ver ninguém, precisei de estar sozinho. Depois regressei à liberdade. Abracei o meu irmão e os meus meninos que, entretanto, chegaram. De novo, a Nanda não me falhou. Esta mulher…», afirma.

Futuro incerto

António Joaquim foi colocado em liberdade estando a aguardar pelo acórdão do julgamento, a 10 de janeiro, apenas com o Termo de Identidade e Residência. O ex-amante de Rosa Grilo confessa-se ansioso com o futuro . «Com a sorte que tenho, ainda me vêm buscar outra vez. É o que penso até altas horas da noite. Desde que fui libertado só adormeço por volta das quatro da manhã. Penso em tudo e em todo este tempo em que estive preso. Não me arrependo de nada do que fiz. Porque nada fiz! A única coisa que não deveria ter feito foi aceitar o divórcio sem tentar resistir e emendar as coisas. Não me arrependo de mais nada!», assume.

De baixa até 10 de janeiro

António Joaquim deslocou-se ao médico de família na segunda-feira, 9 de dezembro, para pedir baixa, de forma a conseguir ficar em casa enquanto aguarda julgamento, não regressando assim ao Campus da Justiça antes de saber a sentença. O oficial de justiça continua em risco de cumprir uma pena de 25 anos de cadeia ou, na melhor das hipóteses, de ter uma pena menor ou sair em liberdade.

Texto: André da Silva Carvalho; Fotos: Reprodução Instagram

LEIA MAIS
Prepara-se, vamos entrar no pico da gripe!
Homem que matou namorado sexagenário no Porto condenado a 18 anos de prisão

Impala Instagram


RELACIONADOS