Três mulheres detidas por morte de bebé encontrada na rua embrulhada em toalha da Primark

Três mulheres foram detidas suspeitas da morte de bebé encontrada na rua embrulhada numa toalha da Primark. Corpo tinha sido encontrado na rua em Portsmouth, na manhã de 25 de janeiro.

Três mulheres detidas por morte de bebé encontrada na rua embrulhada em toalha da Primark

Três mulheres foram detidas suspeitas da morte de bebé encontrada na rua embrulhada numa toalha da Primark. Corpo tinha sido encontrado na rua em Portsmouth, na manhã de 25 de janeiro.

Uma mulher de 39 anos e outras duas de 21 e de 20 anos, todas de Portsmouth, foram esta manhã detidas e estão sob custódia das autoridades por «suspeita de conspiração para assassinato». A bebé foi encontrada abandonada sob um poste de luz por Anastasia Jamieson, em janeiro. Mãe de quatro filhos, contou na altura ao The Sun que encontrou a recém-nascida «enrolada num pano».

«Se tivéssemos olhado pela janela antes, talvez a bebé estivesse viva»

«A bebé foi deixada na debaixo de um candeeiro de rua, e não no escuro, no chão. Estava enrolada em algo como um cobertor ou uma toalha. Sentimo-nos um pouco culpados porque, se tivéssemos olhado pela janela antes, talvez a bebé estivesse viva e pudéssemos ter feito alguma coisa. Ainda disse qualquer coisa ao meu irmão, mas ele achou que seria um animal», recorda.

LEIA DEPOIS
Quatro detidos em Moçambique por matar duas crianças para vender os seus órgãos genitais

Polícia ‘vasculhou’ horas de câmaras de segurança

A polícia de Hampshire visitou centenas de casas na cidade e vasculhou horas de imagens de câmaras de segurança, em mais de 60 locais durante a investigação. Vários apelos foram feitos para que a mãe se se apresentasse. Investigadores da Agência Nacional do Crime também foram convocados para ajudar nas buscas em larga escala.

Toalha Primark seria pista importante

Acreditava-se que a toalha Primark amarela encontrada no local fosse uma pista vital para a identidade da mãe. O inspetor-chefe Simon Baker, da polícia de Hampshire, qualificou o caso como «perturbador para muitas pessoas» da comunidade. «Os nossos agentes são treinados para lidar com investigações sensíveis como esta, que geralmente podem ser muito complexas, e farão o que for necessário para obter descobrir todos os envolvidos e toda a verdade.»

LEIA MAIS
Tanatopraxia: A ‘arte’ de conservar e maquilhar os mortos [Reportagem]

Impala Instagram


RELACIONADOS