Administração hospitalar abre inquérito a morte de feto em Aveiro

A administração hospitalar do Baixo Vouga anunciou hoje a abertura de um inquérito à morte de um feto, após a mãe ter sido internada quarta-feira no Serviço de Obstetrícia do Hospital de Aveiro.

Administração hospitalar abre inquérito a morte de feto em Aveiro

Administração hospitalar abre inquérito a morte de feto em Aveiro

A administração hospitalar do Baixo Vouga anunciou hoje a abertura de um inquérito à morte de um feto, após a mãe ter sido internada quarta-feira no Serviço de Obstetrícia do Hospital de Aveiro.

A administração hospitalar do Baixo Vouga – que integra os hospitais de Aveiro, Águeda e Estarreja – anunciou, em comunicado, que deliberou “abrir um processo de inquérito interno após a morte de um feto, com 40 semanas de gestação, de uma doente que foi internada no Serviço de Obstetrícia no passado dia 20 de novembro”. Aquele órgão esclarece que disponibilizou apoio psicológico por parte de técnicos do Centro Hospitalar e aproveita para endereçar publicamente os pêsames à família, tal como os profissionais do Serviço, adiantando tê-lo já feito pessoalmente junto da mãe.

LEIA DEPOIS
Marcelo Rebelo de Sousa defende aumento do salário mínimo

 “Essencial a averiguação dos factos com total transparência e esclarecimento da verdade”

“Apesar da primeira auditoria ao processo apontar para que todos os procedimentos adotados tenham sido corretos, o conselho de administração do CHBV considera essencial a averiguação dos factos com total transparência e esclarecimento da verdade”, refere a nota. A administração hospitalar considera ainda que são “muito raras” essas situações, mas que “afetam todos os intervenientes, muito em especial os pais”.

“O Serviço de Obstetrícia do CHBV e os seus profissionais, desde o dia 1 de janeiro de 2019, ajudaram a nascer mais de 1700 bebés, no Hospital de Aveiro, o que têm feito com elevado empenho e profissionalismo”, acrescenta o comunicado. Segundo avançou a SIC Notícias na segunda-feira, um casal de Águeda está a acusar o hospital de negligência médica, depois de a mulher, que estava grávida, perder a bebé às 40 semanas de gestação, após várias idas às urgências. Em declarações à estação televisiva, o pai contou que a cesariana estava marcada para segunda-feira, às 41 semanas de gestação. No entanto, a bebé acabou por morrer, no último sábado.

LEIA DEPOIS
Previsão do tempo para esta quarta-feira, 27 de novembro
Mata grávida para retirar-lhe bebé do ventre e acaba por ser mãe na prisão

Impala Instagram


RELACIONADOS