Carrilho condenado por difamação. Multa de 900 euros e 3 mil euros de indemnização a Bárbara

Notícia em atualização

Carrilho condenado por difamação. Multa de 900 euros e 3 mil euros de indemnização a Bárbara

Notícia em atualização

Em direto do Campus de Justiça, em Lisboa, Manuel Maria Carrilho acaba de ser absolvido do crime de violência doméstica. Hoje, dia 15 de dezembro, o tribunal considera que o arguido «estava sob muita pressão». A juíza Joana Ferrer afirma que o facto de o ex-ministro não ir ver os filhos nas condições de Bárbara é compreensível pois a casa ainda era dele e não tinha razão para o fazer.

“Perante a realidade trazida ao tribunal, prova pericial inconclusiva e perante uma prova testemunhal abundante, mas que não foi capaz de sustentar a acusação, não resulta da matéria de facto provada que o arguido tem cometido o crime de violência doméstica”, pelo que o tribunal o absolve, decidiu a juíza Joana Ferrer.

«O arguido é uma pessoa perfeitamente integrada do ponto de vista social», é dito na sessão. O tribunal está em concordância com as características de personalidade apresentadas pelo advogado de defesa. «É um pai extremoso com os seus filhos»

A Procuradora do Ministério Público ri-se conforme a juíza vai dizendo o seu parecer. O Tribunal não concluiu que Dinis não goste de sua mãe uma vez que a idade já lhe permite a firmeza do seu parecer. A sanção acessória seria uma sanção fortíssima que se iria refletir nos menores e portanto não será aplicada.

Condenado por difamação

Manuel Maria Carrilho foi foi absolvido de 21 crimes de difamação e estava acusado de 23. Sanção: 150 dias de multa, 900 euros e 3 mil euros por danos não patrimoniais a Bárbara Guimarães.

A juíza disse ainda que as provas (fotos) não tinham valor probatório. A sentença tem um total de 276 páginas mas não foi lida na íntegra.

 

Veja o vídeo de Carrilho à saída do Tribunal:

 

Carrilho confessou-se «feliz» e diz que se fez justiça mas não quis prestar mais declarações por ainda não estar «sereno» e apenas queria ir estar com a filha Carlota.

Última atualização às 14h54

A última sessão – Carrilho exaltou-se

No dia 4 de dezembro o antigo ministro da cultura, começou o discurso com tremores, em tom baixo e muito pausadamente. Manuel Maria Carrilho falou durante 75 minutos durante a última sessão das alegações finais.

À medida que ia falando, o académico foi-se exaltando, tendo gritado, a determinado momento: «Quem bate é a mãe!». Esta frase, que se referia a alegadas agressões de Bárbara Guimarães aos filhos do ex-casal, Dinis e Carlota, foi repetida várias vezes.

Em tribunal, Manuel Maria Carrilho comparou o silêncio da ex-mulher, ao longo destes três anos de processo judicial, a uma «bomba atómica».

«A estratégia de uma bomba atómica é a do silêncio», afirmou.

Antigo ministro usa filhos como «arma de arremesso»

Manuel Maria Carrilho, na sessão de 4 de dezembro, focou-se nos filhos para tentar mostrar as alegadas falhas nos argumentos da acusação. Num processo em que o antigo ministro é acusado de violência doméstica e difamação, Carrilho acabou por dispersar e falar por diversas vezes em Carlota e Dinis afirmando ser bom pai e que isso iria ser provado quando a filha mais nova, de sete anos, falasse em tribunal.

«Ela há-de ser ouvida e há-de dizer a verdade.»

O antigo ministro da cultura alegou por diversas vezes que a filha, de apenas sete anos, deveria ser constituída testemunha e deveria falar em tribunal.
«As palavras do arguido são delirantes. Perdeu três quartos de hora a falar de problemas que se prendem com o tribunal de família e sobre acusações mentirosas e tristes porque essas já foram objeto de julgamento no tribunal criminal e ele foi condenado por violência doméstica e denúncia caluniosa», afirmou Pedro Reis à saída do tribunal.

Advogado de Carrilho tinha pedido absolvição

A defesa de Manuel Maria Carrilho pediu, na sessão de dia 27 de novembro, a absolvição do seu cliente no processo em que está acusado de violência doméstica contra a ex-mulher, Bárbara Guimarães, por as acusações serem uma «história patética e muito mal contada».

«Bárbara Guimarães não tem credibilidade, nem coerência e tudo o que afirmou é inverosímil», começou por afirmar Paulo Sá e Cunha, que durante três horas e meia tentou desmontar os argumentos apresentados pela acusação do Ministério Público e pelo defensor da apresentadora.

Para o advogado de Carrilho, em tribunal, Bárbara Guimarães contou uma «história patética, um folclore, através de relatos que parece não terem sido vivenciados e que têm muitas incongruências», descrevendo a assistente como «uma diva, uma pessoa com grande auto-estima», ao contrário da fragilidade motivada pelo medo e pela vergonha defendidos pela acusação.
«Não houve violência doméstica, não houve ameaças. Houve um quadro de progressiva degradação do casal. O divórcio [em dezembro de 2013] não teve nada a ver com agressões, violência ou insultos», disse Paulo Sá e Cunha assumindo, contudo, que o seu cliente é «frontal e conflituoso» e que disse «algumas coisas que não devia».

 

Pedro Reis, advogado de Bárbara Guimarães, tinha pedido prisão efetiva

À saída do tribunal, na sessão de dia 20 de novembro, Pedro Reis respondeu a algumas questões dos jornalistas e foi peremptório. Perante a pena pedida pelo MP, o advogado considera que «não é suficiente». Sobre as alegações por parte da procuradora, mostrou-se agradado:

«As alegações da procuradora foram brilhantes e trouxeram ao de cima a real personalidade do arguido.»

O causídico afirma ainda que acredita na pena efetiva do arguido:

«Uma situação desta natureza só credibilizaria a justiça. Está um pouco veiculado no público a ideia de que há dois pesos e duas medidas conforme o estatuto socioeconómico das pessoas. Era bom que pessoas com um estatuto superior, como é o caso do arguido, aprendessem a viver com decência e de uma forma civilizada.»

 

Outros artigos em destaque

The Biggest Loser Concorrente surpreende ao tornar-se modelo e bombeiro!
Raríssimas: Presidente admite uso do cartão de crédito em vestidos por ser um «investimento»
Ups! Apanhados desprevenidos na gala da TVI (fotos)
Bebé sereia morre quatro horas depois do nascimento
Bebé sereia morre quatro horas depois do nascimento
Cantora condenada a dois anos de prisão por «videoclipe depravado»
Cantora condenada a dois anos de prisão por «videoclipe depravado»
22 prendas de Natal até cinco euros

Impala Instagram


RELACIONADOS