Estou grávida. Posso usar vibradores e outros brinquedos?

Estou grávida. Posso usar vibradores e outros brinquedos?

Se pretende utilizar artigos sexuais para apimentar a relação quando está grávida, leia este artigo primeiro…

Se está grávida, saiba que alguns artigos sexuais contêm substâncias que podem ser prejudiciais aos fetos. Nos brinquedos infantis, as mesmas já foram proibidas e teme-se que a medida seja aplicada a alguns vibradores.

LEIA MAIS: Truque para nunca perder uma criança no meio de uma multidão

O uso de vibradores, dildos e outros brinquedos sexuais é cada vez mais comum. Existe um número crescente de sex shops, venda online e até as agora conhecidas reuniões da maleta vermelha.

Por isso, a curiosidade em juntar um estimulante picante à relação sexual é cada vez mais comum. Porém, tal momento de prazer adicional pode acarretar problemas se a mulher estiver grávida.

Se a relação sexual por si só, durante a gestação, não é desaconselhada pelos médicos e sexólogos, no que toca aos brinquedos sexuais a história é outra. Acontece que o material utilizado no fabrico de alguns destes artigos contém substâncias que podem perigar a saúde do feto.

Utilização de substâncias perigosas no fabrico de vibradores são prejudiciais a uma grávida

As mesmas substâncias dão‑se pelo nome de ftalatos e têm a função de tornar os plásticos mais flexíveis, fornecendo‑lhes uma maior elasticidade.

Foram a Dinamarca e, posteriormente, a Alemanha os primeiros países a alertarem para os efeitos negativos que estas substâncias podem acarretar e a lembrar que as mesmas fazem parte da constituição de alguns brinquedos sexuais.

LEIA MAIS: Infertilidade | Médico português é a nova esperança para milhares de mulheres

O problema já começou a ser tratado na Dinamarca pela Agência do Meio Ambiente, que concluiu, após uma exaustiva investigação sobre a matéria, que as grávidas não devem abusar de brinquedos sexuais que sejam fabricados com ftalatos. A razão é muito simples:desconfia‑se que tais partículas possam causar alterações nas crianças, sobretudo se forem absorvidas em fases de desenvolvimento, como é o caso da gravidez, através da placenta.

O conselho do médico

Alguns estudos associaram a exposição aos ftalatos durante o período de desenvolvimento do feto, com as alterações nos níveis de testosterona dos rapazes.

A investigação que trouxe à luz esta situação foi dirigida pela ginecologista Shanna Swan, da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos.

A especialista baseou a investigação pioneira na relação entre a exposição das mães aos ftalatos durante a gravidez, medida através de análises de urina, e, posteriormente, verificou uma redução das hormonas masculinas resultante também numa menor distância entre o ânus e os genitais masculinos dos fetos.

LEIA MAIS: Sofia é o rosto de campanha a favor do aborto, mas os pais não sabiam

Porém, em Portugal, estes estudos não são conhecidos ou sequer falados. Ainda assim, os especialistas não colocam de parte a veracidade de tais conclusões científicas.

«Têm uma lógica racional e compreendo na perfeição a ilação, mas nunca ouvi falar sobre esses estudos», garante o médico Daniel Pereira da Silva.

Contudo, sabendo que os ftalatos já são proibidos desde 1999 pela União Europeia, na concepção de brinquedos para crianças, o especialista em ginecologia adianta para que, «na dúvida, mais vale prevenir e ter cuidado durante a gravidez com todos os produtos fabricados com esse tipo de substâncias, quer sejam brinquedos sexuais ou qualquer outro tipo de artigo», afirma.

Discussão científica

Declarar como certos os efeitos dos ftalatos, ou qualquer outro composto é algo que leva muito tempo e obriga a vários estudos. Enquanto isso, os especialistas vão aconselhando a não usar determinados produtos por uma questão de precaução.

Os fabricantes, por sua vez, recusam‑se a aceitar os factos até existir mesmo prova científica irrefutável que mostre os efeitos negativos de determinadas substâncias.

LEIA MAIS: Depilação total: fazer ou não fazer?

Porém, no que toca aos ftalatos, a União Europeia já adoptou medidas preventivas quanto a brinquedos e produtos destinados a crianças, tais como biberões e chupetas, que contenham estas substâncias.

Cuidados redobrados

Ainda assim, os ftalatos são a mais recente descoberta no que toca a substâncias que se podem tornar perigosas durante a gravidez. Além desta propriedade, presente nos plásticos, existem outros produtos desaconselhados às mulheres que vão ser mães.

«As mulheres grávidas deveriam ter especial cuidado não só com os brinquedos eróticos como com todos os produtos que contêm ftalatos, já que chegam directamente ao feto através da placenta», explica a médica Marieta Fernéndez, da Universidade de Granada, assegurando que tais substâncias podem também encontrar‑se em cremes de beleza, champôs, perfumes ou até equipamento médico.

LEIA MAIS: Nigeriana afirma que teve gravidez de 2 anos e que deu à luz um bode


RELACIONADOS