Velejador mata homem minutos depois de o salvar de morrer afogado

Jovem acaba morto a tiro depois de ter sido resgatado por um velejador que impediu que a vítima e a namorada morressem afogados.

Velejador mata homem minutos depois de o salvar de morrer afogado

Velejador mata homem minutos depois de o salvar de morrer afogado

Jovem acaba morto a tiro depois de ter sido resgatado por um velejador que impediu que a vítima e a namorada morressem afogados.

Nathan Drew Morgan e a namorada estavam a andar de jet-ski quando caíram à água. Nenhum tinha colete salva vidas e ambos ficaram em apuros com o veículo a circular à volta de ambos. Foi então que um velejador de 74 anos, cuja identidade não foi revelada, decidiu salvar o casal. O pior viria a acontecer minutos depois, com o idoso a matar a tiro o homem a quem tinha acabado de salvar a vida.

Poderá interessar-lhe ler depois
Aliia Roza diz ter sido transformada pelo regime de Putin num soldado perfeito que usava a sedução e o sexo para manipular os alvos (… continue a ler aqui)

Tudo aconteceu em Lake Keowee, na Carolina do Sul, Estados Unidos da América. De acordo com relatos locais, Nathan ter-se-á tornado agressivo depois do salvamento. O jovem, de 29 anos, que poderia estar embriagado terá mesmo agredido a namorada bem como o velejador e a mulher deste. Motivo que leva a que não seja apresentada nenhuma queixa contra o idoso. Que terá agido em legítima defesa.

Homem estaria embriagado e velejador terá agido em legítima defesa

Conta o The Sun que Morgan terá começado a discutir com o velejador após o resgate. Foi nessa altura que a namorada tentou empurrar o namorado de volta para a água, de modo a acalmar a situação. O velejador acabou por disparar, dizendo às autoridades que temia pela sua vida, bem como pela da sua esposa. Os investigadores acreditam ainda que o casal terá discutido antes de cair na água.

Nathan Drew Morgan deixa um filho de 10 anos. Por sua vez, e nas redes sociais, os amigos do jovem estranham a forma como tudo aconteceu. “Ele nunca atacaria ninguém a menos que se sentisse ameaçado”, escreve uma amiga. “Nunca faria mal a alguém que o tentasse ajudar e sei disso em primeira mão”, acrescenta. Outros amigos exigem que as autoridades investiguem melhor o sucedido.

Texto: Bruno Seruca; Fotos: Reprodução Facebook

Impala Instagram


RELACIONADOS