Sismo no Haiti. Último balanço aponta para quase dois mil mortos e dez mil feridos

Mais de um milhão de pessoas estão sem acesso a comida, abrigo e água potável no Haiti após o forte sismo de sábado. Tempestade tropical tem dificultado as operações de salvamento.

Sismo no Haiti. Último balanço aponta para quase dois mil mortos e dez mil feridos

Sismo no Haiti. Último balanço aponta para quase dois mil mortos e dez mil feridos

Mais de um milhão de pessoas estão sem acesso a comida, abrigo e água potável no Haiti após o forte sismo de sábado. Tempestade tropical tem dificultado as operações de salvamento.

O mais recente balanço do sismo no Haiti aproxima-se das duas mil vítimas mortais. 1.941 pessoas morreram e perto 10 mil ficaram feridas, durante o abalo do último sábado, 14 de agosto.

O tremor de terra, de magnitude 7.7com epicentro 125 quilómetros a oeste da capital, Port-au-Prince, destruiu cidades e provocou deslizamentos de terras, que dificultaram a prestação de auxílios no país mais pobre do Hemisfério Ocidental. Cerca de 60 mil ficaram sem casa.

A UNICEF estima que mais de um milhão de pessoas – mais de metade crianças – tenham ficado sem acesso a abrigo, água potável, cuidados de saúde e comida.

O Haiti já se confrontava com a pandemia do novo coronavirus, a violência de gangues, a pobreza crescente e a incerteza política subsequente ao assassínio, em 07 de julho, do presidente Jovenel Moïsem quando o abalo enviou os residentes para as ruas.

Dirigentes tiveram de negociar com gangues para deixarem passar colunas humanitárias

E a situação agravou-se ainda mais com a depressão tropical Grace, que chegou ao país na noite de segunda-feira, com fortes ventos, chuvas intensas, deslizamentos de terras e inundações repentinas.

No terreno, há falta de meios para apoiar quem precisa de ajuda, agora que os trabalhos de busca e salvamento retomaram depois da tempestade tropical ter atingido as Caraíbas. “Inúmeras famílias haitianas que perderam tudo devido ao terramoto estão agora a viver literalmente com os pés na água por causa das inundações”, disse Bruno Maes, representante da UNICEF no país.

 O abalo também destruiu ou causou estragos sérios em hospitais, escolas, instalações de empresas e igrejas. A realçar as condições más, os dirigentes tiveram de negociar com gangues no distrito de Martissant para deixarem passar duas colunas humanitárias pela área, informou o Serviço da Organização das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários. “Pouco mais de uma década depois, o Haiti está outra vez a cambalear”, disse a diretora executivo da UNICEF, Henrietta Fore, aludindo ao sismo de 2010 que destruiu a capital do país, causando a morte a dezenas de milhares de pessoas.
“E este desastre coincide com a instabilidade política, o aumento da violência dos gangues, alarmantes e elevadas taxas de subnutrição infantil e a pandemia do covid — para a qual o Haiti só recebeu 500 mil vacinas, apesar de precisar de muitas mais”, acentuou. O país de 11 milhões de pessoas recebeu o primeiro carregamento de vacinas, doadas pelos EUA, no mês passado, através de um programa da ONU destinado aos países de baixos rendimentos.
A situação nos hospitais continua descontrolada. “Basicamente, precisam de tudo”, disse Inobert Pierre, um pediatra na Health Equity International, uma entidade sem fins lucrativos que dirige o Hospital St. Boniface Hospital, a duas horas de Les Cayes.
VEJA AGORA
Incêndio de Castro Marim. 14 animais carbonizados e 6.700 hectares afetados
Incêndio de Castro Marim. 14 animais carbonizados e 6.700 hectares afetados
Pelo menos 14 animais morrem carbonizados em “abrigo ilegal” durante incêndio de Castro Marim. Câmara de Vila Real de Santo António diz desconhecer abrigo. Bombeiros fazem consolidação da extinção de fogo com 6.700 hectares atingidos (… CONTINUE A LER AQUI)

Impala Instagram


RELACIONADOS