Roubam carro a mulher e atiram bebé de 4 meses pela janela

Roubam carro a mulher e atiram bebé de 4 meses pela janela

Um mulher estava com o filho dentro do carro quando foi vítimas deste insólito furto.

Roubam carro a uma mulher, num assalto violento, com um bebé de apenas quatro meses na parte de trás do veículo, sentado na sua cadeirinha.

LEIA MAIS: Bebé de três semanas morre após ataque de cães pitbull

O pequeno Matheo estava tranquilamente na parte de trás do carro quando aconteceu o assalto. Dois jovens abordaram o veículo e apontaram  uma pistola à mãe e, de imediato, roubaram o carro.

Assaltantes roubam carro e atiram criança pela janela

A mulher ainda tentou agarrar no pequeno Matheo, mas os assaltantes não permitiram. Os jovens arrancaram a toda a velocidade e uns metros mais à frente atiraram o bebé pela janela. Completamente em pânico, a mulher socorreu o filho, que, por milagre, escapou sem um único arranhão.

TAMBÉM LHE PODE INTERESSAR
Casa Pia – E Agora? | Grande Reportagem: Megaprocesso ou erro tremendo? [vídeo]

E se o Processo de pedofilia na Casa Pia tivesse sido um erro? ‘Arrependidos’ desmentem depoimentos, afirmam terem sido pagos para mentir e revelam ameaças de morte.

«Pai, és inocente de tudo quanto te acusam?» [Marta Cruz, filha de Carlos Cruz]
Na passada terça-feira, 26 de junho, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) deu em parte razão ao apresentador Carlos Cruz. Para os juízes daquela instância supranacional, a aplicação da Justiça no processo Casa Pia falhou.

O TEDH concluiu que o Tribunal da Relação de Lisboa devia ter aceitado as novas provas apresentadas por Carlos Cruz no recurso. O que não aconteceu.

«Estão a lançar junto dos miúdos nomes falsos, com algumas ‘notazitas’ à mistura. Não são precisas muitas», Catalina Pestana

Entre estas novas provas estavam, por exemplo, a admissão de Teresa Costa Macedo de que mentiu no ‘lançamento’ do caso Casa Pia. Foi, aliás, condenada por «crimes de falsidade de testemunho no julgamento do processo Casa Pia».

A antiga secretária de Estado para a Família entre 1980 e 1983, com a tutela da maior instituição de acolhimento do País, não tinha identificado Carlos Cruz , como dissera, em fotografias de relatórios que guardara desde aqueles anos da década de 1980.

Veja esta grande reportagem, no vídeo que está a levantar polémica junto de toda a sociedade, AQUI.


RELACIONADOS