Moita Flores acusado pelo Ministério Público da prática de cinco crimes

O Ministério Público acusou o antigo presidente da Câmara de Santarém Francisco Moita Flores por três crimes de prevaricação e dois de participação económica em negócio.

Moita Flores acusado pelo Ministério Público da prática de cinco crimes

Moita Flores acusado pelo Ministério Público da prática de cinco crimes

O Ministério Público acusou o antigo presidente da Câmara de Santarém Francisco Moita Flores por três crimes de prevaricação e dois de participação económica em negócio.

O Ministério Público (MP) acusou o antigo presidente da Câmara de Santarém Francisco Moita Flores por três crimes de prevaricação e dois de participação económica em negócio, anunciou hoje o Departamento de Investigação e Ação Penal de Évora. Segundo uma nota publicada na página da internet do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, o MP «deduziu acusação para julgamento por tribunal coletivo contra ex-presidente da Câmara Municipal de Santarém e um antigo funcionário daquele mesmo município, pela prática, em coautoria, de três crimes de prevaricação de titular de cargo político». O antigo autarca é ainda acusado da prática de dois crimes de participação económica em negócio.

LEIA MAIS

Correio da Manhã cancela novela sem aviso e mete «150 profissionais» na rua

Moita Flores terá praticado os crimes entre 2009 e 2011

O Ministério Público, que não indica na nota os nomes dos arguidos, revela que os crimes foram praticados entre 2009 e 2011, no âmbito do exercício das respetivas funções, «delas se aproveitando o arguido». Moita Flores foi presidente da Câmara Municipal de Santarém entre 2005 e 2012. De acordo com a acusação, os factos praticados pelos arguidos estão relacionados com a realização de obras em instalações da antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém. «Por um lado, tais obras não foram precedidas de procedimento contratual e, por outro, o ex-presidente da Câmara assinou documentação correspondente a uma cessão de créditos da empresa construtora a um banco, nos quais vinculava o município a pagar duas faturas emitidas pela construtora, nos valores de 300 mil euros e 200 mil euros, sem que as despesas em causa correspondessem a qualquer cabimento, compromisso ou decisão de adjudicação. Isto a fim de viabilizar pagamentos à construtora que se encontrava a realizar as obras e uma vez que os mesmos não podiam ser efetuados diretamente pelo município», refere o DIAP de Évora.

Decorre o prazo para os arguidos requererem instrução

O inquérito foi dirigido pelo Ministério Público do DIAP Distrital de Évora, que, na investigação, foi coadjuvado pela Polícia Judiciária de Lisboa. Decorre ainda o prazo para que os arguidos possam requerer a abertura de instrução, fase facultativa que visa decidir por um juiz de instrução criminal se o processo segue e em que moldes para julgamento.

LEIA MAIS

Mata filho bebé porque mulher se recusou a fazer sexo

Cadáveres de bebés encontrados em caixas de cartão de hospital [vídeo]

Impala Instagram


RELACIONADOS