Alcochete: Manuel Fernandes pensou que Bruno de Carvalho ia despedir Jorge Jesus

Bruno de Carvalho marca presença pelo segundo dia consecutivo no Tribunal de Monsanto, após ter sido dispensado

Alcochete: Manuel Fernandes pensou que Bruno de Carvalho ia despedir Jorge Jesus

Alcochete: Manuel Fernandes pensou que Bruno de Carvalho ia despedir Jorge Jesus

Bruno de Carvalho marca presença pelo segundo dia consecutivo no Tribunal de Monsanto, após ter sido dispensado

O antigo futebolista Manuel Fernandes disse esta terça-feira, 3 de dezembro, em tribunal ter pensado que Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, se preparava para despedir Jorge Jesus, treinador da equipa de futebol, na véspera do ataque à academia de Alcochete.

LEIA DEPOIS
Advogados apontam contradições e discrepâncias ao coordenador da segurança da Academia de Alcochete

«Tivemos uma reunião na véspera [da invasão] e o presidente disse uma frase que me fez pensar que ele se estava a referir ao despedimento do treinador», afirmou Manuel Fernandes, aludindo à pergunta de Bruno de Carvalho: «Amanhã, vamos estar todos na academia às 16h00, e aconteça ou que acontecer vocês estão comigo?».

Na sessão de segunda-feira, Ricardo Gonçalves, chefe de segurança da academia à data dos factos, também referiu a reunião de 14 de maio de 2018 e a afirmação de Bruno de Carvalho, um dos 44 arguidos que estão a ser julgados no tribunal de Monsanto. Manuel Fernandes, que à data coordenava o departamento de scouting do clube, referiu em tribunal que nem todos os indivíduos que invadiram a academia do clube, em Alcochete, entraram no balneário onde foram agredidos futebolistas e elementos da equipa técnica.

«Penso, pelo aglomerado de pessoas que vi, que houve muitos que não entraram no balneário. Quando entrei no balneário vi quatro ou cinco pessoas de cara tapada a falarem com alguns jogadores, como Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Acuña», disse Manuel Fernandes.

Bas Dost «esteve caído no chão 10 ou 15 minutos»

O antigo internacional português revelou que viu à entrada do balneário «Bas Dost com sangue na cabeça, deitado no chão e a chorar», acrescentando não ter visto «quem o agrediu» e dizendo, mais tarde, que o avançado holandês «esteve caído no chão 10 ou 15 minutos».

Manuel Fernandes explicou que no trajeto entre o seu gabinete, à entrada do edifício, e o balneário, houve um indivíduo, que «levava um cinto na mão» e lhe disse: «Desvia-te ‘Manel’, que isto não é contigo».

O coordenador do departamento de scouting disse não ter visto «agressões», tendo presenciado apenas «gritos e intimidação verbal», qualificando o momento de «uma coisa muito feia».

Manuel Fernandes admitiu que, «a certa altura, ligou ao treinador Jorge Jesus a pedir para ir para casa», porque não se estava a sentir bem, tendo voltado depois, quando percebeu que os jogadores estavam a depor na GNR.

O coordenador do scouting do Sporting, que disse não conseguir identificar nenhum dos agressores, admitiu não ter visto Bruno de Carvalho na academia naquele dia, mas disse saber que «ele estava num gabinete, depois de ter chegado com o André Geraldes, uma hora e meia depois da invasão».

O antigo presidente do Sporting Bruno de Carvalho, um dos 44 arguidos do processo, voltou a marcar presença no tribunal de Monsanto, mas não prestou qualquer declaração aos jornalistas.

Ex-líder da Juve Leo diz que estar na Academia «foi uma coincidência»

Fernando Mendes, antigo líder da claque Juventude Leonina e também arguido no processo, esteve igualmente hoje no tribunal, tendo afirmado à entrada que a sua presença na academia no dia da invasão «foi uma coincidência».

O antigo líder da claque disse ter ido a Alcochete «para terminar uma conversa com Jorge Jesus», iniciada dias antes, no aeroporto do Funchal, depois da derrota dos ‘leões’ no terreno do Marítimo, para a Liga (2-1), que custou ao Sporting a possibilidade de conseguir a qualificação para a Liga dos Campeões.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para esta quarta-feira, 4 de dezembro

Impala Instagram


RELACIONADOS