Falta de médicos de família enche hospitais com «falsas urgências»

Cerca de 43% dos atendimentos feitos este ano trataram-se de «falsas urgências»

Falta de médicos de família enche hospitais com «falsas urgências»

Falta de médicos de família enche hospitais com «falsas urgências»

Cerca de 43% dos atendimentos feitos este ano trataram-se de «falsas urgências»

As filas de espera nos hospitais em Portugal são cada vez maiores devido à falta de médicos de família. Cerca de 43% dos atendimentos feitos este ano trataram-se de «falsas urgências», segundo os dados do Portal do SNS, citados pelo Jornal de Notícias.

LEIA DEPOIS

Administração hospitalar abre inquérito a morte de feto em Aveiro

A situação agrava-se nos hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo. Metade dos doentes não têm médicos de família e ‘entopem’ as urgências dos hospitais com casos menos graves, recebendo pulseiras verdes e azuis.

Temos médicos suficientes em Portugal?

Atualmente, existem 4,6 médicos por cada mil habitantes, o que faz com que Portugal seja o terceiro país da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) com o maior rácio de especialistas per capita, colocando-se à frente da Alemanha e Reino Unido.

Olhando para o panorama do Serviço Nacional de Saúde (SNS), os números são pouco animadores. A média situa-se nos 2,8 profissionais por cada mil habitantes. A Ordem dos Médicos tem mais de 40 mil profissionais inscritos. Destes, apenas 28609 trabalham no SNS.

Texto: Jéssica dos Santos

LEIA MAIS

Idosos com mais de 75 anos são quem mais recorre às urgências por acidentes domésticos

Impala Instagram


RELACIONADOS