Crime | Mata mulher para receber seguro e repete o crime com o filho anos depois

Karl Holger Karlsen pegou fogo à casa para matar a mulher e receber uma fortuna do seguro de vida. Três décadas depois, repetiu o crime, agora com o filho.

Crime | Mata mulher para receber seguro e repete o crime com o filho anos depois

Karl Holger Karlsen pegou fogo à casa para matar a mulher e receber uma fortuna do seguro de vida. Três décadas depois, repetiu o crime, agora com o filho.

O norte-americano Karl Holger Karlsen, de 59 anos, foi condenado a prisão perpétua 30 anos depois de ter cometido o crime. A 1 de janeiro de 1991, Christina A. Karlsen, de 30 anos, morreu num incêndio na localidade de Calaveras, na Califórnia. A mulher ficou fechada na casa de banho da moradia e não conseguiu pôr-se a salvo. Karl recebeu cerca de 300 mil euros do seguro de vida. Após a tragédia, o viúvo, e afinal também o homicida, mudou-se para Nova Iorque com os filhos.

LEIA DEPOIS
Pedofilia «não mata ninguém, mas abortar mata», diz padre

Segundo crime viria a levantar suspeitas também sobre o primeiro

Em 2008, Levi, de 23 anos, filho de Karlsen, fez um seguro de vida e escolheu o pai como único beneficiário em caso de morte. Na semana seguinte,
Cindy Karlsen – mulher com a qual Karl se casou após ter ficado viúvo – encontrou o corpo do jovem debaixo de uma carrinha, na garagem de casa. As autoridades policiais consideraram a morte acidental. Há um ano, pressionou a mulher a assinar uma nova apólice de seguro em nome dele, no valor de mais de um milhão de euros. Cindy recusou e começou a ser maltratada pelo marido.

Comportamento estranho levou atual mulher de homicida a partilhar desconfianças

Nessa altura, contou, estranhou a «mudança de atitude e a pressão» do marido e desconfiou das mortes anteriores. Acabou por partilhar os receios à Polícia e os casos foram reabertos. A morte de Levi Karlsen foi a primeira a ser julgada. Karl acabou condenado por homicídio involuntário a 15 anos de cadeia. Pelo assassinato de Christina, a pena foi de prisão perpétua. Após investigação, foi dado como provado que Karl Holger Karlsen fechou a mulher à chave na casa de banho e ateou fogo à casa, garantindo que a jovem não teria como fugir.

LEIA MAIS
Coronavírus: Mortos na China continental aumentam para 1.113

Impala Instagram


RELACIONADOS