Tonelada e meia de marfim apreendida na República Democrática do Congo

Um carregamento de uma tonelada e meia de marfim contrabandeado foi apreendido no último fim de semana e três traficantes suspeitos foram presos em Lubumbashi, no sudeste da República Democrática do Congo, anunciou hoje uma fonte judicial.

Tonelada e meia de marfim apreendida na República Democrática do Congo

Tonelada e meia de marfim apreendida na República Democrática do Congo

Um carregamento de uma tonelada e meia de marfim contrabandeado foi apreendido no último fim de semana e três traficantes suspeitos foram presos em Lubumbashi, no sudeste da República Democrática do Congo, anunciou hoje uma fonte judicial.

Um carregamento de uma tonelada e meia de marfim contrabandeado foi apreendido no último fim-de-semana e três traficantes suspeitos foram presos em Lubumbashi, no sudeste da República Democrática do Congo (RDCongo), anunciou hoje uma fonte judicial.

Para ler depois
Homem viola rapaz em casa de banho de estação de comboios no Barreiro
Um homem de 43 anos foi detido por existirem fortes indícios de ter violado um adolescente de 16 anos numa casa de banho no Barreiro (… continue a ler aqui)

A origem e o destino do marfim ainda não são conhecidos, e está em curso uma investigação. “Os nossos serviços apreenderam cerca de 1.500 kg de marfim no sábado”, de acordo com uma fonte judicial, que não quis ser identificada, em declarações à agência France-Presse. “Cinco pessoas que transportavam o marfim em grandes camiões foram presas, mas duas fugiram depois do interrogatório”, acrescentou.

“Os três congoleses detidos dizem ser simples transportadores, que não conhecem a origem ou o destino final das presas e afirmam que os que fugiram são os proprietários”, segundo a mesma fonte. Sabin Mande, advogado da “Natural Resources Network”, uma plataforma que reúne várias organizações não-governamentais (ONG) ambientais congolesas, garantiu à AFP ter visto “18 sacos cheios de marfim com mais de 1.500 quilogramas” no gabinete do procurador do Ministério Público em Lubumbashi, capital da província do Alto Catanga, esta quarta-feira.

Segundo o ativista, um tamanho volume de presas de animais reunidas representa o abate de “80 a 100 elefantes”. “Isto é criminoso”, comentou. O caso constitui uma das maiores apreensões de marfim no continente africano. Nos últimos dez anos, foram feitas apreensões de duas a quatro toneladas no Quénia e no Togo. A maior apreensão recente em todo o mundo foi feita no Vietname, com nove toneladas descobertas em março de 2019 num navio proveniente do Congo.

O comércio ilegal de marfim é a terceira forma mais lucrativa de tráfico depois da droga e das armas. É alimentada por uma grande procura na Ásia e no Médio Oriente, onde as presas de elefante são utilizadas na medicina tradicional e ornamentação.

Impala Instagram


RELACIONADOS