Empresa de Santo Tirso produz roupa desportiva com derivado da canábis

Uma empresa de Santo Tirso produz para os Estados Unidos roupa desportiva com acabamentos à base de um derivado da canábis, garantindo à Lusa a diretora executiva serem pioneiros a nível mundial nessa produção.

Empresa de Santo Tirso produz roupa desportiva com derivado da canábis

Empresa de Santo Tirso produz roupa desportiva com derivado da canábis

Uma empresa de Santo Tirso produz para os Estados Unidos roupa desportiva com acabamentos à base de um derivado da canábis, garantindo à Lusa a diretora executiva serem pioneiros a nível mundial nessa produção.

Uma empresa de Santo Tirso produz para os Estados Unidos roupa desportiva com acabamentos à base de um derivado da canábis, garantindo à Lusa a diretora executiva serem pioneiros a nível mundial nessa produção.

LEIA DEPOIS
Previsão do tempo para esta quinta-feira, 3 de outubro

Em maio, no mesmo mês em que completou 50 anos de atividade, a empresa Adalberto acrescentou mais uma mais-valia à sua atividade na área dos estampados, tornando-se “pioneira mundial na produção de tecidos com derivados de canábis“, cuja utilização tem efeitos “anti-inflamatórios, relaxantes e anti-stress”, explicou a diretora executiva, Susana Serrano.

Parceria da Adalberto com a DevanMicropolis e a  Acabada ProActive Wear nasceu a aplicação de canabidiol

De uma parceria com a empresa DevanMicropolissediada na Maia, e com a norte-americana Acabada ProActive Wear “nasceu uma nova aplicação para o canabidiol (CBD), a roupa desportiva, depois de um primeiro contacto no final de abril abrir as portas à experimentação e procura de resultados”, acrescentou a responsável.

Conhecida a sua presença em medicamentos, cremes e em óleos, o CBD já fora “também utilizado em têxteis lar”, afirmou a CEO da empresa de Santo Tirso que durante um mês fez a “industrialização e materialização do projeto“.”Encomendámos as matérias-primas, fizemos os moldes e a confeção, bem com os testes de laboratório de qualidade e testámos a aplicabilidade do produto”, contou Susana Serrano.

Descoberta a fórmula, a presença do CBD “verifica-se com o recurso a microcápsulas introduzidas na fase de acabamento de tecidos, em que é aplicada uma certa quantidade de canabidiol enquanto o tecido passa no banho, ficando dessa forma as microcápsulas agarradas”, descreveu a responsável.

Uma vez vestidas, “as microcápsulas presentes nas peças confecionadas, com a fricção e o mexer, vão rebentar e penetrar na pele”, acrescentou Susana Serrano. “Para garantirmos que a peça de roupa possui o efeito do CBD, terá de haver 12 gramas por metro quadrado”, precisou.

Apesar da substância conferir aos tecidos propriedades medicinais, possuindo “efeitos anti-inflamatórios, relaxantes e anti-stress”, a responsável da empresa ressalva “tratar-se de um acabamento funcional aplicado ao vestuário que tem os mesmos princípios ativos do CBD“, alertando “não dever ser confundido como tendo fins medicinais”.

O volume de negócios é “segredo”, mas Susana Serrano divulgou à Lusa terem recebido um “pedido para uma segunda encomenda que representa o dobro da primeira”, pois a empresa dos EUA “está a ter uma saída maior do que estava à espera”. Atentos a este desenvolvimento, garante a CEO, estão também “marcas de desporto”, admitindo que em breve possa haver “avanços também nessa matéria”.

Entretanto, dos Estados Unidos da América, único país onde os produtos são vendidos, veio “um novo desafio”, desta feita para a Adalberto “testar a fórmula de CBD, também, em camisas de flanela”. Com 385 colaboradores, a empresa “líder europeia na arte de estamparia” tem atualmente três áreas de negócio: venda de tecido estampado a metro, têxteis lar, onde ganharam todas as licenças da Disney, e vestuário, disse.

LEIA MAIS

Mais de 50 mil eleitores votaram antecipadamente para as legislativas

Trump diz que está a ser vítima de um golpe de Estado

 

Impala Instagram


RELACIONADOS