Cadeia de hotéis altera ementa e lança menus de pescado sustentável em Portugal

A cadeia Marriott, com o apoio da ANP|WWF, analisou, ao longo dos últimos 2 anos, as referências de peixe e marisco mais consumidas nos restaurantes dos 9 hotéis em Portugal. O resulta é uma ementa mais sustentável que já pode provar nos hotéis

Cadeia de hotéis altera ementa e lança menus de pescado sustentável em Portugal

A cadeia Marriott, com o apoio da ANP|WWF, analisou, ao longo dos últimos 2 anos, as referências de peixe e marisco mais consumidas nos restaurantes dos 9 hotéis em Portugal. O resulta é uma ementa mais sustentável que já pode provar nos hotéis

Já está disponível nos restaurantes dos hotéis da cadeia Marriott a nova ementa mais responsável para com os oceanos, fruto de um trabalho pioneiro realizado em parceria com a organização de conservação da natureza Associação Natureza Portugal, em associação com a WWF (ANP|WWF).

Ao longo dos últimos dois anos, a ONG analisou as espécies de peixe e marisco mais consumidas nos restaurantes dos hotéis Marriott, aplicando a sua metodologia de avaliação que analisa as espécies, a forma de captura ou produção e a zona geográfica, com vista a definir o pescado com menos impacto ambiental e social e criar ementas mais responsáveis.

Diversificar as espécies de peixe na ementa, oferecer mais e melhor informação aos consumidores sobre a origem do peixe e marisco que consomem, escolher pescado com certificação e ter atenção aos tamanhos mínimos para cada espécie são as recomendações que os hotéis Marriott irão implementar na nova ementa criada em parceria com a ANP|WWF, em vigor em todos os restaurantes dos hotéis da Marriott.

“Os hotéis Marriott foram a primeira empresa a analisar as espécies de pescado que estavam a comprar, e a aceitar implementar um plano de melhoria com vista a criar uma carta mais sustentável e responsável para com os nossos oceanos”, reforçou Ângela Morgado, Diretora Executiva da ANP|WWF, continuando “desde cedo que os hotéis Marriott compreenderam a nossa mensagem: nem tudo o que vem à rede é peixe para comer. Há muitos fatores a ter em conta antes do peixe chegar ao nosso prato, e esta cadeia é um exemplo de como é possível ter uma carta sustentável sem perder qualidade, variedade e sabor”.

Elmar Derkitsch, Diretor Geral do Lisbon Marriott Hotel acrescenta ainda: “Sustentabilidade será a próxima vanguarda da nossa cozinha. A maioria das pessoas, simplesmente, encaram os peixes e marisco como alimento, infinitamente abundante, além de ignorar a sua importância para a biodiversidade, A realidade é que algumas espécies já se encontram ameaçadas e em vias de extinção. É com imenso orgulho que associamos a este projecto com o intuito de incentivar os hóspedes e clientes a fazer a escolha certa. Abraçando esta causa, os nossos restaurantes apresentarão uma nova carta com uma maior diversidade de peixes e marisco que tenham o selo de pesca e aquacultura sustentável. “

O trabalho de análise e a proposta de plano de melhoria resulta de uma parceria realizada pela cadeia de hotéis Marriott e a ANP|WWF, organização de conservação da natureza, ao abrigo do projeto Fish Forward – Por um consumo responsável de peixe e marisco.

O estado das populações de peixes ameaça a segurança alimentar humana devido ao sério declínio em que estas se encontram por todo o mundo, sendo que algumas apresentam um risco sério de colapso, como refere a WWF no relatório ‘Living Blue Planet Report’ (setembro de 2015). Em conclusão, as espécies mais consumidas são o salmão do atlântico, , dourada e robalo. Desta forma, a ANP apresentou um plano de melhoria para a cadeia de hotéis, que resulta neste novo menu.

O menu, apresentado e criado pela dupla António Alexandre e Gil Raposo, é composto por: Carapau alimado sobre tosta de milho, pimentos assados, azeite de alho e hortelã da ribeira; caldo de peixe com tentáculos de polvo; tranche de robalo com puré de ervilhas aromatizado com coentros e legumes bio salteados.

Neste relatório conclui-se ainda que, em média, a nível global e nas últimas quatro décadas, as populações de mamíferos marinhos, aves, répteis e peixes foram reduzidas para metade.

Perante este cenário, o projeto Fish Forward tem vindo nos últimos 4 anos a sensibilizar os europeus para o facto de que o tamanho do peixe e marisco que consumimos conta, que há mais peixe no mar e que as etiquetas são nossas amigas (tamanho, diversidade e rotulagem).

 

Texto: Marta Amorim | Fotos: José A. Carvalho

Impala Instagram


RELACIONADOS