Charlene do Mónaco explica tristeza constante: «Este ano deu-me um golpe baixo»

A mulher do príncipe Alberto revela o que está por trás do semblante carregado e da ausência de sorrisos.

Charlene do Mónaco explica tristeza constante: «Este ano deu-me um golpe baixo»

Charlene do Mónaco explica tristeza constante: «Este ano deu-me um golpe baixo»

A mulher do príncipe Alberto revela o que está por trás do semblante carregado e da ausência de sorrisos.

Charlene do Mónaco tem sido a figura da tristeza e isso tem gerado especulação por parte dos fãs da família real. Agora, a mulher do soberano monegasco apresenta uma explicação em entrevista à revista sul-africana Huisgenoot. A mulher do príncipe Alberto revela que 2019 foi um ano muito difícil, uma vez que chorou a morte de dois amigos num curto espaço de tempo. «Morreram os dois em 10 dias. Foi muito doloroso», conta.

LEIA DEPOIS

Cristiano Ronaldo joga à bola com criança sem pernas

Além da morte dos amigos, Charlene do Mónaco afirma ainda estar preocupada com o estado de saúde do pai, Michael Wittstock, que foi operado. «Definitivamente, este ano deu-me um golpe baixo. As pessoas são muito rápidas a dizer: ‘Oh, por que ela não sorri para as fotos?’ Às vezes é difícil sorrir. Eles não sabem o que está a acontecer em segundo plano», lamenta.

A relação difícil com as irmãs de Alberto do Mónaco

Além disso, Charlene explicou que vive constantemente com saudades da família. «Tenho o privilégio de ter esta vida, mas sinto falta da minha família e amigos da África do Sul e fico triste porque nem sempre posso estar lá com eles», conta. No Mónaco, a mulher do soberano conta com o apoio do irmão Gareth, da cunhada Irish e dos sobrinhos. Contudo, sabe-se que a ex-nadadora olímpica não se sente confortável no ambiente do palácio real e da família Grimaldi, além disso tem uma relação difícil com as irmãs de Alberto, as princesas Carolina e Stéphanie.

Na mesma entrevista, Charlene aborda a maternidade. Muito ligada aos filhos, admite que ser mãe chega a ser «esgotante», mas são Jacques e Gabriella que lhe dão «força» no dia a dia.  Diz ainda que os gémeos são bilingues [falam inglês e francês] e que quer que os dois «tenham uma vida». É que Charlene faz questão de recordar que tinha apenas oito anos quando começou a treinar para os Jogos Olímpicos e tinha de nadar 10 quilómetros por dia. Jacques e Gabriella frequentam, contudo, aulas de natação e ginástica.

Apesar de todas as dificuldades, se não fosse casada com um príncipe Alberto do Mónaco, Charlene gostaria de ter uma vida parecida à que leva atualmente. «É muito simples, eu faria tudo o que estou a fazer, mas sem o título», conclui.

Texto: Ricardina Batista| Fotos: Reuters

LEIA MAIS
Meteorologia: O tempo para esta segunda-feira, 30 de dezembro

Impala Instagram


RELACIONADOS