Filho de Tony Lemos quer deixar pai que morreu “orgulhoso” ao participar no Festival da Canção

Filho mais velho de Tony Lemos escreveu um texto emotivo nas redes sociais e revelou um grande feito em memória do pai. Cláudio Lemos terminou uma melodia e vai levá-la ao Festival da Canção. “Espero que estejas orgulhoso”, disse referindo-se ao falecido músico.

Filho de Tony Lemos quer deixar pai que morreu “orgulhoso” ao participar no Festival da Canção

Filho mais velho de Tony Lemos escreveu um texto emotivo nas redes sociais e revelou um grande feito em memória do pai. Cláudio Lemos terminou uma melodia e vai levá-la ao Festival da Canção. “Espero que estejas orgulhoso”, disse referindo-se ao falecido músico.

O filho mais velho de Tony Lemos e a sobrinha do músico, Maria, criaram uma melodia para o álbum dos Santamaria em conjunto. Agora Cláudio Lemos e a filha de Filipa Lemos vão concorrer ao próximo Festival da Canção com a mesma música.

A revelação foi feita pelo descendente do falecido artista através da sua página pessoal do Facebook com um longo e emotivo texto.  “Ele [Tony Lemos] acreditava em mim (mais do que eu até) e sabia do meu potencial, não fosse o estúdio que me montou no quarto no meu aniversário”, começou por dizer Cláudio Lemos.  E continuou: “Ela [Filipa Lemos] convenceu-me a mostrar as demos ao meu pai. Ao jantar, passei-lhe o telefone para ouvir e foram os três minutos mais longos da minha vida. Ele acabou de ouvir, olhou para mim com um sorriso enorme e disse-me: “És louco! Quero ouvir mais”. “Esta foi a música que lhe mostrei no último dia que estive com ele“, confessou o filho mais velho de Tony Lemos.

Cláudio Lemos e Maria não desistiram até terminarem a música. Após a canção estar completa, os jovens decidiram dar um salto de fé e vão concorrer ao concurso anual que elege o representante de Portugal para o Festival da Eurovisão.  “Sei que estás orgulhoso em mim por ter terminado o curso, por ter terminado o que me pediste, por ter começado a produzir, e pelo facto de eu e a Maria estarmos a submeter uma música nossa ao Festival da Canção”, por ler-se.   “Espero que estejas orgulhoso. Não espero, sei!”, acrescentou ainda.  Tony Lemos morreu com 48 anos no dia 13 de outubro de 2020.

Leia aqui o texto completo de Cláudio Lemos para o pai, Tony Lemos:

“No ano passado comprei o meu primeiro teclado MIDI. Ao início, às escondidas do meu pai, mas um dia ele acabou por me ver a mexer nele e surpreendido (mas entusiasmado) perguntou-me o porquê. Eu dei a desculpa de que era para as aulas de sound design na faculdade, mas sabia bem que a razão de o ter comprado era realmente para produzir música.Em específico, uma música para os Santamaria. Mas não lhe disse. Tinha medo, medo de não resultar, não ser bom a produzir e não chegar às expectativas do meu pai, então estive meses sem lhe mostrar uma única demo. Mas no fundo ele acreditava em mim (mais do que eu até) e sabia do meu potencial, não fosse o estúdio que me montou no quarto no meu aniversário. No dia do aniversário da minha tia, estávamos no carro a chegar ao restaurante e perdi o medo e mostrei-lhe algumas das coisas que andava a fazer. Ela gostou e convenceu-me a mostrar as demos ao meu pai. Ao jantar, passei-lhe o telefone para ouvir e foram os três minutos mais longos da minha vida. Ele acabou de ouvir, olhou para mim com um sorriso enorme e disse-me: “És louco! Quero ouvir mais”.
E então passei o resto do verão a produzir, e a produzir, porque ainda não estava contente com o que tinha feito, nem que estaria ao nível da visão que tinha para uma música à Santamaria. Ao longo desse verão, também foram muitas as discussões que tive com o meu pai, pois tínhamos ideias muito distintas para o que queríamos que fosse o futuro dos Santamaria.
Mas dessas discussões, ele percebia (e sempre soube) que vinha o maior amor que tenho por este projeto, pois além de os acompanhar em estrada desde que nasci (literalmente), sempre admirei o legado que deixaram na música portuguesa e no potencial que ainda tinham passado mais de 20 anos de carreira.
Esta foi a música que lhe mostrei no último dia que estive com ele. “Está top! Pede ao Lucas para te ajudar a terminá-la”. E fiz o que ele me pediu. Em novembro, lá estava eu no estúdio com o Lucas a terminar a música.
Com a deadline do álbum a chegar, ainda faltava a melodia e a letra. Eu e a minha prima Maria já tínhamos tentado várias melodias ao longo desses meses, mas ainda nada tinha resultado. Em abril, estava com a Maria na casa da minha avó a ouvir a demo pela 1000.ª vez, até que decidi improvisar algo por cima. Do nada, surgiu. Mal acabei, eu e a Maria olhámos um para outro com aquele olhar e aquele sorriso e ela parou tudo o que estava a fazer para irmos gravar o que me tinha acabado de sair.
Em menos de uma hora, tínhamos a melodia e a letra terminadas. Agora só faltava por voz, nesta que seria a última música a estar terminada para o álbum. Digamos que estar em estúdio a ver e ouvir a minha tia a interpretar a música que eu fiz é algo que nunca vou esquecer.
Espero que estejas orgulhoso. Não espero, sei! Sei que estás orgulhoso em mim por ter terminado o curso, por ter terminado o que me pediste, por ter começado a produzir, e pelo facto de eu e a Maria estarmos a submeter uma música nossa ao Festival da Canção.
Sei que estás orgulhoso no Gonçalo, pela pessoa que ele é, pela dedicação e garra que tem em tudo o que faz, e principalmente pelos homens que nos vamos tornar por tua causa. Sei que estás orgulhoso em nós, por continuarmos este projeto que será sempre o teu legado, por termos terminado o álbum, e pelo concerto que demos no Super Bock Arena, foi tudo por ti e para ti! E irá continuar a ser e vais estar orgulhoso desta caminhada que não pode parar, nunca!”

Texto: Carolina Sousa; Fotos: Redes Sociais

 

Impala Instagram


RELACIONADOS