Afinal, morte de Jeffrey Epstein terá sido homicídio e não suicídio

Michael Baden, ex-médico legista, revelou que as «três fraturas que Epstein apresentava eram incomuns e podem ocorrer em estrangulamentos homicidas».

Afinal, morte de Jeffrey Epstein terá sido homicídio e não suicídio

Afinal, morte de Jeffrey Epstein terá sido homicídio e não suicídio

Michael Baden, ex-médico legista, revelou que as «três fraturas que Epstein apresentava eram incomuns e podem ocorrer em estrangulamentos homicidas».

A causa da morte de Jeffrey Epstein, milionário norte-americano que morreu em agosto deste ano, está a ser alvo de discussão. Isto porque Michael Baden, ex-médico legista de Nova Iorque, revelou à Fox News que «as três fraturas que Epstein apresentava são extremamente incomuns em enforcamentos suicidas e podem ocorrer muito mais frequentemente em estrangulamentos homicidas». A autópsia realizada ao corpo revelava que o magnata se tinha suicidado na prisão, onde aguardava julgamento por estar acusado de tráfico de menores com objetivos sexuais.

LEIA DEPOIS

Príncipe André nega envolvimento no escândalo sexual de Eipstein

Fraturas que Epstein apresentava são indicativas de assassinato

O especialista considera que as fraturas que Jeffrey Epstein apresentava à esquerda e à direita da laringe são indicativas de assassinato. «Não vejo há 50 anos isso a acontecer num caso de enforcamento suicida.» O patologista refere que as hemorragias que os olhos do milionário apresentavam também são comuns em estrangulamentos homicidas. Michael Baden já examinou mais de 20 mil corpos e realizou a série «Autópsia» da HBO.

Jeffrey Epstein terá criado uma rede de abuso de menores

De acordo com a procuradoria do distrito sul de Manhattan, Epstein criou, há mais de uma década, uma rede para abusar de dezenas de meninas na sua mansão de Nova Iorque, e numa outra situada na Florida. O magnata já tinha enfrentado acusações similares na Florida, mas em 2008 alcançou um acordo extraoficial com a procuradoria para o fim da investigação, tendo cumprido 13 meses de prisão e alcançado um acordo económico com as vítimas.

A 31 de julho transato, vários órgãos de comunicação de Nova Iorque noticiavam que o julgamento de Jeffrey Epstein deveria iniciar-se entre junho e setembro de 2020.

LEIA MAIS

Estava morta há 15 anos mas contas eram pagas todos os meses

Impala Instagram


RELACIONADOS