O que é a Síndrome de Frankenstein?

Com a evolução da ciência, com possibilidades antes inimagináveis, muitas pessoas têm medo que evoluções que podem alterar a ordem natural das coisas possam trazer consequências desastrosas.

O que é a Síndrome de Frankenstein?

O que é a Síndrome de Frankenstein?

Com a evolução da ciência, com possibilidades antes inimagináveis, muitas pessoas têm medo que evoluções que podem alterar a ordem natural das coisas possam trazer consequências desastrosas.

O clássico de terror Frankenstein é conhecido pela famosa história do médico que criou um novo ser de forma artificial com partes de corpos humanos, que após ganhar consciência acaba por se transformar numa aberração. Essa história ilustra perfeitamente o medo de muitas pessoas em relação às consequências da exploração de áreas sensíveis, alterando funções antes tidas como estritamente naturais, transformando-as em artificiais pela ciência possa causar consequências catastróficas para a humanidade. Não raramente, evoluções da ciência foram bloqueadas por preceitos éticos e morais, como a clonagem humana, ou manipulação genética.

Esse é o tema abordado pelo neurocientista Fabiano de Abreu, no artigo A síndrome de Frankenstein, publicado pela Revista Multidisciplinar de Ciência Latina. “A história de Frankenstein aborda o medo de que os humanos sejam de alguma forma controladas por suas invenções? […] A nova tecnologia faz isso parecer uma ameaça real. A síndrome pode colocar o sujeito numa realidade abstrata, de modo que imagine coisas que possam vir a acontecer, o que pode desencadear uma ansiedade que resultar noutros problemas”.

Medo da mudança e a velocidade de evolução da tecnologia

Como funciona o cérebro de um terrorista, Fabiano de Abreu Rodrigues
Fabiano de Abreu

Mudar dá medo! A perspectiva de alterar tudo o que vinha sendo feito anteriormente gera ansiedade e apreensão em muitas pessoas. Apesar de nenhum novo procedimento ser isento de riscos, todas as novas evoluções têm cunho terapêutico e podem representar avanços importantes no tratamento de diversas doenças, mas esse ponto de vista raramente é analisado por quem sofre da síndrome de Frankenstein, dando ênfase apenas no lado negativo.

“Uma ‘novidade’ pode levar à rejeição, principalmente quando atinge diretamente os seres humanos, a existência de uma tecnologia capaz de alterar a evolução natural dos seres vivos repugna muitos por crenças ideológicas […] Os avanços tecnológicos são parte integral das nossas vidas. É claro, também devemos reconhecer que esses avanços nem sempre são perfeitos […] No entanto, desse medo à síndrome de Frankenstein, ainda há um longo caminho a percorrer”.

Familiaridade e medo

O desconhecido causa medo. Em especial em relação às evoluções da ciência e tecnologia essa máxima sempre foi verdadeira, a Revolução Industrial, surgimento da Internet, dos aviões, das vacinas, etc. Em diversos momentos a sociedade rejeitou novas perspectivas tecnológicas que, com o tempo, fixaram-se como essenciais para a vida contemporânea. Isso diz respeito à familiaridade com as tecnologias, um processo lento, mas essencial para que novas ideias sejam melhor assimiladas. No entanto, a capacidade de desenvolvimento tecnológico ocorre muito rapidamente, o que não acompanha a nossa capacidade de nos familiarizarmos.

Talvez a seja realidade que são duas curvas a considerar. O primeiro é o rápido – quase exponencial – crescimento em tecnologia e soluções para a saúde. […] a segunda curva pode até ser mais complicada – para a mente humana – do que a própria tecnologia. A capacidade do nosso pensamento emocional mudar e adotar é real, mas muitas vezes de forma lenta”.

Lembre-se que a história do Frankenstein é fictícia e o mito envolto nas evoluções tecnológicas é pura e simplesmente isso, mitos, obviamente devem ser feitas perguntas e tomar uma série de cuidados para evitar que novas tecnologias prejudiquem a humanidade. Ainda assim, travar o desenvolvimento da sociedade baseado única e exclusivamente em medos pessoais da mudança não é a solução. Todas as grandes revoluções apresentaram grandes rejeições, no entanto, tornaram-se itens essenciais para nossa vida, por que a história não se repetiria com novas inovações?

Créditos: Fabiano de Abreu (Arquivo Pessoal) & Estaeslahistoria

Impala Instagram


RELACIONADOS