Tatuador acusado de abuso sexuais a menores em Torres Vedras

Homem, de 30 anos, vai ser julgado por crimes sexuais contra três meninas, com idades entre os 12 e os 16 anos.

Tatuador acusado de abuso sexuais a menores em Torres Vedras

Tatuador acusado de abuso sexuais a menores em Torres Vedras

Homem, de 30 anos, vai ser julgado por crimes sexuais contra três meninas, com idades entre os 12 e os 16 anos.

Um tatuador, de 30 anos, foi acusado pelo Ministério Público de Torres Vedras de 19 crimes de abuso sexual e importunação sexual contra três menores, com idades entre os 12 e os 16 anos. Preso pela Polícia Judiciária (PJ) no final do ano passado, encontra-se em prisão preventiva a aguardar julgamento.

De acordo com o CM, o procurador responsável pela acusação optou por levar o homem a julgamento por abusos cometidos contra duas vítimas em Lisboa e outra já em Torres Vedras. O predador foi detido em dezembro passado, altura em que foi constituído arguido por suspeitas de abusos sexuais. Acabou por abandonar a capital e mudar-se para Torres Vedras, onde abriu um salão de tatuagens. Tal como fazia em Lisboa, voltou a rodear-se de adolescentes.

Homem atacava junto a escolas

O agressor tinha critério na seleção das vítimas já que normalmente era escolhidas nas imediações de estabelecimentos de ensino. Uma das menores que assediou foi levada para o local de trabalho do predador sexual. No salão de tatuagens foi sujeita a maus tratos físicos. Quando voltou a casa, totalmente aterrorizada, contou a um irmão o que se tinha passado.

O familiar encontrou uma mensagem escrita do criminoso no telemóvel da menor e de imediato apresentou queixa às autoridades. Após a detenção, um juiz da comarca de Loures não teve dúvidas em aplicar-lhe a medida de coação mais gravosa: prisão preventiva. O predador está agora acusado de nove crimes de abuso sexual, três de atos sexuais com adolescentes, três de aliciamento de menores para fins sexuais, três de importunação sexual de trato sucessivo e um de pornografia de menores. A acusação já foi enviada para o Tribunal de Loures, para marcação de julgamento.

LEIA AINDA
INEM recebeu menos chamadas de emergência em 2020 devido à pandemia
Mulher morre após ser projetada contra rochas durante caminhada
A vítima mortal foi projetada para as rochas, junto ao mar. Entrou em paragem cardiorrespiratória e as manobras de reanimação não tiveram sucesso. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS