Sporting: Bruno Jacinto teve conhecimento da ida dos adeptos à Academia no dia anterior

Bruno de Carvalho, um dos principais arguidos, identificou-se como comentador desportivo

Sporting: Bruno Jacinto teve conhecimento da ida dos adeptos à Academia no dia anterior

Bruno de Carvalho, um dos principais arguidos, identificou-se como comentador desportivo
  1. A primeira sessão do julgamento do Ataque à Academia do Sporting, a 15 de maio, decorre esta segunda-feira, 18 de novembro, no Tribunal de Monsanto. Dentro do tribunal, Bruno de Carvalho, um dos principais arguidos, recusou-se a prestar declarações. Quando apresentado à juíza, identificou-se como comentador desportivo.

LEIA DEPOIS

Bruno de Carvalho aos jornalistas: «Não quero estar aqui ao pé de pessoas burras»

«Tive conhecimento que iam adeptos falar com jogadores a Alcochete»

Dos 44 arguidos, apenas Bruno Jacinto, considerado um dos autores morais do ataque, optou por falar. O antigo funcionário do Sporting revelou ter tido conhecimento de que os adeptos iriam à Academia de Alcochete no dia anterior ao ataque. «Tive conhecimento que iam adeptos falar com jogadores a Alcochete devido a um descontentamento com os resultados», explica, reiterando não ter conhecimento das agressões que se sucederam.

Questionado pela juíza sobre o que fez com a informação, fornecida por Tiago Silva, gestor de bilhetes da claque e um dos arguidos, Bruno Jacinto afirma: «Reportei esta situação ao meu diretor, André Geraldes, via mensagem». «O Tiago Silva não me disse quantas pessoas iriam a Alcochete. A conversa aconteceu junto ao multidesportivo em Alvalade», revela, referindo que do outro lado da rua estava Fernando Mendes, com quem não falou.

Sem resposta do diretor, Bruno Jacinto dirigiu-se à Academia

Após ter tentado contactar o seu diretor e não ter obtido resposta, Bruno Jacinto revela que por volta das 17h26 dirigiu-se à Academia de Alcochete. «Vi elementos da Juve Leo, Fernando Mendes, Nuno Torres, Joaquim Costa, o Elton e Sérgio Santos a falarem com Bruno de Carvalho e outros elementos da direção. Foi aí que comecei a perceber a situação. Os tais elementos da Juve Leo foram para a zona de formação, que é visível a todos. Falei com eles para perceber o que se tinha passado. Disse ao Fernando Mendes que aquilo nunca poderia ter acontecido».

Questionado novamente por uma das juízas sobre se tinha conhecimento do que se iria passar, Bruno Jacinto garante: «Não tinha conhecimento de nenhum planeamento». À saída do Tribunal na pausa para hora de almoço, Bruno Jacinto não quis prestar declarações. Bruno de Carvalho não fez qualquer comentário dentro do tribunal, mas o advogado do ex-presidente dos leões garante que «na altura certa» irá falar.

Texto: Sílvia Abreu; Fotos: Helena Morais

LEIA MAIS

Bruno de Carvalho pede reconstituição do ataque à Academia

Impala Instagram


RELACIONADOS