Estados Unidos querem proibir a entrada de homossexuais

Estados Unidos querem proibir a entrada de homossexuais

Mais uma medida dos Estados Unidos e do governo de Donald Trump a gerar polémica. Desta vez, vai afetar diplomatas estrangeiros que têm relações homossexuais.

O governo dos Estados Unidos anunciou que vai cancelar os vistos para quem acompanha os diplomatas homossexuais estrangeiros e funcionários das Nações Unidas. Os parceiros que se encontrem naquele país devem abandonar o território norte-americano até 31 de dezembro deste ano, ter outro tipo de visto ou oficializar a relação homossexual com o diplomata em questão.

LEIA MAIS: Igreja organiza abraços de mãe a gays rejeitados pela família

«A partir de 1 de outubro de 2018, os parceiros do mesmo sexo que acompanham ou pretendam juntar-se a oficiais recém-chegados das Nações Unidas devem fornecer prova de casamento para ter direito a um visto G4», diz a ONU em comunicado. «Apenas uma relação legalizada através do casamento determina a elegibilidade como cônjuge para propósitos de imigração», explica o Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Esta medida já entrou em vigor esta segunda-feira e contraria uma regra introduzida pela ONU e os EUA em 2009. O país diz que isto permite «aos parceiros homossexuais de diplomatas americanos usufruirem dos mesmos direitos e benefícios dos parceiros de sexos opostos». A decisão já está a gerar muita contestação pois ainda há muitos países no mundo em que o casamento gay não legal. A ex-embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Powe,r considerou a medida «desnecessariamente cruel e discriminatória».

LEIA MAIS: Polícia detém mais de 100 pessoas em sauna gay


RELACIONADOS