Dá à luz bebé de 16 semanas e mostra fotos impressionantes da filha

As imagens servem para «ajudar outras mães que sofrem abortos».

Uma mulher dá à luz bebé de 16 semanas e resolve mostrar as fotografias impressionantes da filha. De acordo com a jovem mãe, as imagens servem para «ajudar outras mães que sofrem abortos» nos primeiros meses de gravidez e cujos bebés são considerados «lixo hospitalar».

LEIA MAIS: Cinco irmãos órfãos unidos pela primeira vez neste Natal

«Perder um bebé nos primeiros meses [de gestação] é quase uma perda solitária. É como se, para as outras pessoas, a nossa filha não existisse porque simplesmente não chegou a nascer. Para mim, era difícil pensar dessa forma. E por isso quis mostrar ao mundo que a minha filha era uma bebé, apesar de nunca poder vir a viver», explica Justine Zampogna, de 28 anos, natural de Perth, Austrália.

Dá à luz bebé às 16 semanas de gestação e chama-lhe Gia, que significa «presente de deus»

O cérebro da bebé tinha parado de crescer e o médico garantiu não ser viável a continuação da gestação. Foi induzido o parto à jovem mãe com medicação e a bebé nasceu morta. A mãe chamou à menina Gia, que significa «presente de Deus». Justine e o marido, Ty, que estão juntos desde que tinham 16 anos, tiveram o primeiro filho, Chase, em janeiro de 2016. Começaram a tentar aumentar a família em abril do ano passado. O pequeno Chase começou a chamar Gigi à irmã e a fazer «festinhas na barriga».

LEIA MAIS: Criança morre ao saltar de 5.º andar de hotel na Disneyland

Com apenas 14 semanas de gestação, o casal foi informado de que a bebé sofria de anencefalia. Trata-se de  um defeito fatal no tubo neural. Mesmo os bebés que sobrevivem até ao parto morrem poucas horas depois de nascerem. O casal decidiu, por isso, seguir o conselho dos médicos e interromper a gravidez. Depois do parto provocado, Ty e Justine passaram seis horas com o corpo da pequena Gigi, perfeitamente formado. Tiraram dezenas de fotografias. «Chorei durante todo o parto. Mas não foram lágrimas de despedida, mas sim de dor, por saber que não poderia salvá-la. Senti que, depois de tudo o que passámos, merecíamos ter a nossa história documentada para que ninguém esquecesse a nossa Gigi», conclui Justine Zampogna.

LEIA MAIS: «Já não vejo o meu pipi», queixa-se Jessica Athayde

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS