Hong Kong: Reino Unido retira juízes britânicos em protesto contra “opressão” chinesa

O Governo britânico vai retirar os juízes do Reino Unido em exercício no tribunal de última instância de Hong Kong, alegando que mantê-los arrisca legitimar a opressão na província chinesa.

Hong Kong: Reino Unido retira juízes britânicos em protesto contra

Hong Kong: Reino Unido retira juízes britânicos em protesto contra “opressão” chinesa

O Governo britânico vai retirar os juízes do Reino Unido em exercício no tribunal de última instância de Hong Kong, alegando que mantê-los arrisca legitimar a opressão na província chinesa.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros explicou hoje num comunicado que, após discussões com o vice-primeiro-ministro, Dominic Raab, que é também ministro da Justiça, foi decidido que “já não é sustentável que juízes do Reino Unido tenham assento no tribunal superior de Hong Kong“. “Observámos uma erosão sistemática da liberdade e da democracia em Hong Kong. Desde que a Lei de Segurança Nacional foi imposta, as autoridades reprimiram a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa e a liberdade de associação”, afirmou a ministra dos Negócios Estrangeiros, Liz Truss.

Desigualdades aumentaram pós-covid apesar de promessas de Estados e empresas
A população mundial foi enganada em 2021 por promessas de reconstruir um mundo melhor após a covid-19, mas os países ricos e as grandes multinacionais só aprofundaram as desigualdades.

A chefe da diplomacia britânica alega que “a situação chegou a um ponto de rotura em que já não é sustentável para os juízes britânicos se sentarem no principal tribunal de Hong Kong e arriscariam legitimar a opressão”. Os juízes britânicos do Supremo Tribunal continuaram em funções no Tribunal de Último Recurso de Hong Kong mesmo depois da entrega da soberania do território pelo Reino Unido à China, em 1997.

“A situação chegou a um ponto de rotura em que já não é sustentável para os juízes britânicos”

Porém, o Reino Unido tem sido crítico da Lei de Segurança Nacional introduzida em 2020, acusando a China de desrespeitar os direitos e liberdades fundamentais da população previstos na Declaração Conjunta acordada entre o Reino Unido e a China em 1984. “Desde 2020 e a introdução da lei de segurança nacional, a nossa avaliação da situação em Hong Kong é que ela se afastou muito das liberdades que tanto prezamos, tornando a liberdade de expressão e a crítica honesta do Estado uma ofensa criminal”, afirmou Raab.

Impala Instagram


RELACIONADOS