Sindicato dos Jornalistas exige auditorias salariais nos media para combater desigualdades

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) apoia a campanha #PayMeEqual, da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), e exige que as empresas de media realizem auditorias salariais e combatam a desigualdade de género nas redações

Sindicato dos Jornalistas exige auditorias salariais nos media para combater desigualdades

Sindicato dos Jornalistas exige auditorias salariais nos media para combater desigualdades

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) apoia a campanha #PayMeEqual, da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), e exige que as empresas de media realizem auditorias salariais e combatam a desigualdade de género nas redações

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) lançou uma campanha global hoje, Dia Internacional da Mulher, instando os órgãos de informação a realizarem auditorias salariais e combaterem a desigualdade entre mulheres e homens nas redações.

“O Sindicato dos Jornalistas (SJ) apoia a campanha #PayMeEqual” da FIJ, “que insta os órgãos de informação a realizarem auditorias salariais e combaterem a desigualdade entre mulheres e homens nas redações”.

A FIJ realça que “o jornalismo não é exceção” à “injustiça” da disparidade salarial — que, no mundo, atribui aos homens salários 23% superiores aos das mulheres por trabalho de igual valor, refere o SJ.

A presidente do Conselho de Género da FIJ, María Angeles Samperio, citada no comunicado, defende que são necessárias “auditorias salariais nas redações, para ajudar a eliminar as disparidades salariais de género”.

A FIJ lançou uma pesquisa global, juntamente com o projeto WageIndicator, da fundação com o mesmo nome, “para documentar a disparidade salarial de género” nos meios de comunicação social.

“Esta pesquisa vai ajudar os nossos afiliados a lutarem por igualdade de salários e oportunidades”, acredita o presidente da FIJ, Younes Mjahed.

“Apresentar uma queixa contra o empregador por pagamento injusto e discriminação exige coragem e devemos assegurar que os sindicatos estão totalmente preparados e apetrechados para apoiarem os seus membros nessa tarefa”, sustenta.

“As disparidades salariais entre homens e mulheres não estão associadas ao facto de as mulheres serem menos qualificadas, mas sim ao facto de o seu acesso a empregos bem remunerados ser limitado”, frisa a FIJ.

Acresce que as mulheres estão a ser afetadas “de forma desproporcional” pela atual crise desencadeada pela pandemia de covid-19, sublinha a Federação.

“Muitas tentativas de alcançar salários iguais, seja por meio de legislação ou por negociações, foram congeladas”, denuncia a FIJ, que representa 600 mil profissionais e 187 sindicatos e associações de 140 países.

Recordando a vitória histórica da jornalista Samira Ahmed contra a britânica BBC, que, em janeiro de 2020, foi condenada por pagar à apresentadora seis vezes menos do que ao apresentador masculino de um programa de conteúdo semelhante, a FIJ realça que “os obstáculos à igualdade de remuneração incluem também a falta de responsabilidade parental partilhada”.

Além disso, “poucos acordos coletivos foram adotados com disposições sólidas sobre a redução das desigualdades salariais entre mulheres e homens e o equilíbrio entre trabalho e vida familiar”, acrescenta.

 

 

LEIA AINDA
Dia da Mulher assinalado com protestos 'online' e também nas ruas
Dia da Mulher assinalado com protestos online e também nas ruas
O Dia Internacional da Mulher é assinalado em todo o mundo e em Portugal é marcado por protestos ‘online’ e também nas ruas, que pretendem reivindicar medidas contra a desigualdade e violência de género. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS