Inflação atinge valor mais alto desde junho de 1994

Os preços no consumidor subiram 5,3%, em março, face aos 4,2% de fevereiro, o valor mais alto desde junho de 1994.

Inflação atinge valor mais alto desde junho de 1994

Inflação atinge valor mais alto desde junho de 1994

Os preços no consumidor subiram 5,3%, em março, face aos 4,2% de fevereiro, o valor mais alto desde junho de 1994.

Inflação atinge valor mais alto desde junho de 1994. “A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi 5,3% em março de 2022, taxa superior em 1,1 pontos percentuais (p.p.) à observada no mês anterior”, tratando-se do “valor mais elevado desde junho de 1994”, divulgou o INE, confirmando assim os valores previstos nas estimativas rápidas divulgadas no final de março.

Preços dos combustíveis controlados nos postos de abastecimento a cada três meses
A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos irá passar a controlar os preços dos combustíveis para certificar que a redução do ISP chega aos consumidores (… continue a ler aqui)

O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) também acelerou, registando uma variação de 3,8% (3,2% em fevereiro).

Já a variação do índice relativo aos produtos energéticos aumentou para 19,8%, face aos 15% no mês precedente, o que corresponde ao valor mais elevado desde fevereiro de 1991. Por sua vez, o índice referente aos produtos alimentares não transformados apresentou uma variação de 5,8%, face aos 3,7% em fevereiro. A variação mensal do IPC foi 2,5% (0,4% no mês precedente e 1,4% em março de 2021), enquanto a variação média dos últimos doze meses foi 2,2% (1,8% em fevereiro).

Quando ao índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC), registou-se uma variação homóloga de 5,5%, representando o valor mais elevado desde o início do IHPC, em 1996. Esta taxa é superior em 1,1 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 2,0 pontos percentuais ao valor estimado pelo Eurostat para a área do Euro, “refletindo sobretudo diferenças apreciáveis no comportamento dos preços dos bens energéticos, em particular da eletricidade”, apontou o INE.

Assim, excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos, o IHPC em Portugal atingiu uma variação homóloga de 4,1% em março, superior à taxa correspondente para a área do Euro (estimada em 3,2%), “apresentando um perfil ascendente muito pronunciado”. O IHPC registou uma variação mensal de 2,6% (0,5% no mês anterior e 1,5% em março de 2021) e uma variação média dos últimos doze meses de 2,0% (1,5% no mês precedente).

 

Impala Instagram


RELACIONADOS