Banco Mundial revê em baixa crescimento da zona euro para 2,5% este ano

O Banco Mundial reviu em baixa a previsão de crescimento económico da zona euro para este ano que deverá desacelerar para 2,5%, penalizado pelos “choques de abastecimento adicionais” causados pela invasão da Ucrânia.

Banco Mundial revê em baixa crescimento da zona euro para 2,5% este ano

Banco Mundial revê em baixa crescimento da zona euro para 2,5% este ano

O Banco Mundial reviu em baixa a previsão de crescimento económico da zona euro para este ano que deverá desacelerar para 2,5%, penalizado pelos “choques de abastecimento adicionais” causados pela invasão da Ucrânia.

“A previsão para este ano foi revista em baixa em 1,7 pontos percentuais, já que a guerra leva a preços de energia mais altos, a disrupções contínuas nas cadeias de abastecimento e a condições financeiras mais apertadas”, lê-se no relatório ‘Perspetivas Económicas Globais’ (‘Global Economic Prospects’), hoje divulgado, sobre a zona euro.

Para ler depois
ONU confirma mais de 4.200 civis mortos na guerra da Ucrânia
A ONU confirmou hoje que pelo menos 4.253 civis morreram e 5.141 ficaram feridos em pouco mais que três meses de guerra na Ucrânia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores (… continue a ler aqui)

Segundo o Banco Mundial, o crescimento na zona euro “deverá abrandar ainda mais, para uma média de 1,9%, em 2023-24, à medida que o Banco Central Europeu apertar a política monetária e as repercussões da guerra continuam a penalizar a atividade”. De acordo com a instituição financeira, os “subsídios à energia em várias das grandes economias da zona euro, apesar de causarem distorções, deverão amortecer ligeiramente o impacto dos altos custos de energia no consumo das famílias”.

No relatório hoje divulgado, o Banco Mundial nota que “a atividade na zona euro desacelerou na primeiro metade de 2022, principalmente devido à invasão russa da Ucrânia e a um ressurgir da covid-19”, e nota que “os principais países da região são particularmente dependentes de importações de energia da Rússia – nomeadamente de gás, cujas importações russas representam cerca de 35% do total das importações de gás da zona euro”.

E se, “para além da energia, a exposição comercial direta da zona euro à Rússia é pequena, o que limita a impacto direto das sanções” impostas àquele país, o Banco Mundial refere que “os efeitos indiretos sobre já pressionadas cadeias de abastecimento, as tensões financeiras acrescidas e o declínio no consumo e na confiança empresarial têm abalado a atividade” na região euro.

Considerando o grupo das economias desenvolvidas, o Banco Mundial prevê que o respetivo crescimento desacelere “acentuadamente” de 5,1% em 2021 para 2,6% em 2022 – 1,2 pontos percentuais abaixo das projeções anteriores – e perspetiva “um crescimento ainda mais moderado, em torno dos 2,1%, em 2023-24, refletindo a progressiva retirada dos apoios orçamentais e monetários introduzidos durante a pandemia e o esgotamento da procura acumulada.

“Nas economias desenvolvidas, a atividade está a ser penalizada pela subida dos preços da energia, pelas condições financeiras menos favoráveis e pelas disrupções na cadeia de abastecimento, que foram agravadas pela guerra na Ucrânia”, salienta.

Segundo sustenta, “um eventual agravamento da guerra na Ucrânia é o principal risco que ameaça estas previsões, já que poderia desestabilizar a já de si complicada situação geopolítica, desencadear aumentos adicionais dos preços da energia e dos alimentos, exacerbar as pressões inflacionistas, pressionar ainda mais as condições financeiras e prolongar a incerteza política”.

Globalmente, o Banco Mundial prevê que o crescimento económico caia “acentuadamente” de 5,7% em 2021 para 2,9% em 2022, “significativamente abaixo” dos 4,1% previstos em janeiro, ficando o rendimento ‘per capita’ nas economias em desenvolvimento 5% abaixo da tendência pré-pandemia. O crescimento global deverá depois “manter este ritmo”, em torno dos 3%, em 2023-24, “à medida que a guerra na Ucrânia causa disrupções na atividade, no investimento e no comércio a curto prazo, a procura acumulada se reduz e a política económica e fiscal acomodatícia é retirada”.

Impala Instagram


RELACIONADOS