Professores assumem protestos na rua como forma de “ensinar”

“Professores a lutar também estão a ensinar” foi uma das frases de luta mais ouvidas na manifestação de profissionais da educação, hoje, em Lisboa, num dia que o STOP, organizador do protesto, considerou ‘histórico”.

Professores assumem protestos na rua como forma de

Professores assumem protestos na rua como forma de “ensinar”

“Professores a lutar também estão a ensinar” foi uma das frases de luta mais ouvidas na manifestação de profissionais da educação, hoje, em Lisboa, num dia que o STOP, organizador do protesto, considerou ‘histórico”.

À chegada ao Largo do Rato, a caminho do Parlamento, André Pestana, presidente do Sindicato de Tod@s @s Profissionais da Educação (STOP), pegou no megafone para comunicar que contabilizou “20 a 25 mil” professores e educadores presentes na manifestação. “É um dia histórico”, exultou o dirigente, sublinhando a diversidade geográfica da adesão ao protesto, enquanto o já clássico “Professores unidos jamais serão vencidos” também se fazia ouvir.

Para ler depois
Buscas de três náufragos no mar da Nazaré suspensas durante a noite
Os meios terrestres e o helicóptero que participaram hoje nas buscas dos três tripulantes da embarcação desaparecida ao largo na Nazaré suspenderam os trabalhos ao fim da tarde, informou o capitão do porto da Nazaré (… continue a ler aqui)

Antes do início do desfile, André Pestana dizia à Lusa que os professores estão “a dar um exemplo de grande cidadania e a demonstrar ao Governo que estão mais determinados do que nunca em defender a escola pública de qualidade e a valorização da classe docente”.

Os manifestantes reclamam respostas a questões como a possibilidade de os diretores poderem escolher professores sem terem em conta a graduação profissional; a ausência de contagem de tempo de serviço que esteve congelado; as quotas de acesso aos 5.º e 7.º escalões; e a penalização na aposentação após 36 anos de serviço.

Estes motivos levaram o STOP a decretar uma greve “por tempo indeterminado” — iniciada em 09 de dezembro e mantida até dia 16, com retoma anunciada para o início do 2.º período letivo, com pré-avisos entregues para todo o mês de janeiro.

A greve do STOP levou ao encerramento total ou parcial de várias escolas ao longo dos últimos seis dias úteis.

À Lusa, André Pestana sublinhou que, “se a classe quiser, ainda em dezembro” poderá haver nova greve, para além da já anunciada para janeiro.

“Uma coisa é clara: parecia que a classe docente estava parada e, neste momento, é inegável, está uma grande mobilização, de norte a sul do país”, notou.

O ministro da Educação — realçou — “está claramente incomodado” e “isto é só o início”, sublinhou, prometendo “a maior luta de sempre”.

Na sexta-feira, o ministro João Costa mostrou-se surpreendido com a paralisação, argumentando que estão a decorrer negociações com os sindicatos e garantindo que o executivo está nelas de boa-fé.

“Sempre dissemos que queremos fazer parte da solução e não do problema. Se o Ministério da Educação reconhecer que tem cometido erros e que vai ceder em questões importantes, estamos disponíveis para negociar”, assegurou o presidente do STOP.

Joana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda (BE), juntou-se à manifestação na paragem no Largo do Rato, onde algumas professoras depositaram três “cotonetes gigantes” à porta da sede do “partido no poder”.

Em declarações à Lusa, disse estar solidária com “os milhares de professores que sentem que o estado de degradação da sua carreira” afeta a escola pública.

“Isto demonstra o sentimento de injustiça que os professores estão a viver. Todos eles. E acho que vamos ver, daqui para frente, grandes mobilizações de professores (…). Frente a uma maioria absoluta que bloqueia, no Parlamento, as propostas para melhorar a carreira dos professores, que bloqueia as negociações, a rua tem de falar”, destacou.

“Chegámos a um ponto de gota de água, porque as negociações não estão a ir a lado nenhum” e as propostas do Governo “são “inaceitáveis”, considerou a deputada, apontando que “o Governo vai contornando a falta de professores com mitigações que só pioram” a situação.

“O tempo de serviço não se poupa, conta-se”, reivindicou Anabela Magalhães, professora de 61 anos e quase 40 de serviço, que colocou um dos cotonetes à porta da sede do Partido Socialista (PS).

 

SBR // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS