Mudanças climáticas agravaram seca extrema no Corno de África — relatório

As mudanças climáticas, provocadas pela ação humana, não só tornaram muito mais provável como agravaram a atual seca extrema que afeta o Corno de África, concluiu uma equipa internacional de cientistas do clima

Mudanças climáticas agravaram seca extrema no Corno de África -- relatório

Mudanças climáticas agravaram seca extrema no Corno de África — relatório

As mudanças climáticas, provocadas pela ação humana, não só tornaram muito mais provável como agravaram a atual seca extrema que afeta o Corno de África, concluiu uma equipa internacional de cientistas do clima

“As mudanças climáticas causadas por atividades humanas tornaram a seca agrícola no Corno da África cerca de 100 vezes mais provável” do que antes, refere-se num relatório divulgado na quarta-feira pelo World Weather Attribution.

Esta rede global de cientistas perocura determinar rapidamente se certos eventos climáticos extremos foram influenciados pelas mudanças climáticas.

“As mudanças climáticas causaram a baixa precipitação na região”, disse à agência de notícias Associated Press (AP) Joyce Kimutai, principal meteorologista do Departamento de Meteorologia do Quénia. “As mudanças climáticas tornaram a seca de nível excecional,” acrescentou.

Kimutai foi uma de 19 cientistas de sete países que avaliaram como as mudanças climáticas afetaram as chuvas no Corno de África, levando à pior seca em 40 anos.

Os cientistas analisaram dados climáticos históricos, incluindo mudanças nos dois principais padrões de chuva na região, juntamente com simulações de modelos de computador que datam de 1800.

A conclusão foi que a longa temporada de chuvas, de março a maio, está a ficar mais seca e a curta temporada de chuvas, normalmente de outubro a dezembro, a ficar mais húmida, devido às mudanças climáticas.

Friederike Otto, especialista do Imperial College London, no Reino Unido e líder do estudo, disse à AP que o relatório sublinha como os efeitos das mudanças climáticas “dependem fortemente de quão vulneráveis” é a população local.

Os cientistas reconheceram que fracas estações chuvosas no passado, elevadas temperaturas, conflitos, a fragilidade dos estados e a pobreza são também responsáveis pelos “impactos devastadores” da atual seca no Corno de África.

As Nações Unidas disseram que mais de 20 milhões de pessoas no Quénia, Etiópia, Somália, Uganda e Sudão do Sul foram afetadas pela seca, com mais de 2,2 milhões de deslocados na Somália e na Etiópia e graves riscos para centenas de milhares de grávidas ou lactantes.

Rod Beadle, chefe de assistência e assuntos humanitários da organização não-governamental Food for the Hungry, disse à AP que quase 15 milhões de crianças estão expostas à desnutrição aguda.

“Apesar das recentes chuvas no norte do Quénia, a pressão das anteriores temporadas perdidas cria uma situação terrível. A inundação afetou o gado e muitos pastores perderam os seus principais meios de subsistência”, sublinhou.

“As condições de seca resultaram em solos severamente compactados, que não conseguem absorver a água; portanto, as inundações são mais severas. O país também está a enfrentar graves surtos de cólera e outras doenças à medida que mais refugiados chegam”, disse Beadle.

VQ // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS