Moçambique lança projeto-piloto que pode prevenir 75% dos casos de malária

O Ministério da Saúde (Misau) moçambicano lança hoje, pela primeira vez, um projeto-piloto de prevenção da malária, que pode evitar três quartos dos casos da doença, uma das que mais mata no país, anunciou o Governo.

Moçambique lança projeto-piloto que pode prevenir 75% dos casos de malária

Moçambique lança projeto-piloto que pode prevenir 75% dos casos de malária

O Ministério da Saúde (Misau) moçambicano lança hoje, pela primeira vez, um projeto-piloto de prevenção da malária, que pode evitar três quartos dos casos da doença, uma das que mais mata no país, anunciou o Governo.

A intervenção “pode prevenir 75% de casos de malária em crianças menores de cinco anos” e vai ser feita “porta-a-porta, através de voluntários comunitários supervisionados por trabalhadores de saúde ou pessoal qualificado”, esclareceu o Misau, em comunicado. “É a primeira vez que Moçambique implementa esta estratégia, que será acompanhada por um protocolo de investigação científica em parceria com especialistas em pesquisa sobre malária”, acrescentou.

LEIA DEPOIS
Suspeito de matar irmã e pai em Torres Vedras detido na Amadora

Crianças dos 3 meses aos 5 anos alvo de projeto-piloto para reduzir malária em Moçambique

A iniciativa vai decorrer em dois distritos da província de Nampula (norte do país, a mais populosa) e consiste em dois medicamentos contra a malária combinados em quatro doses mensais, sob a designação “SPAQ – Suladoxina/Piremetamina e Amodiaquina”. As crianças dos 3 meses aos 5 anos de idade são o grupo alvo deste projeto-piloto. A Campanha de Quimioprofilaxia Sazonal da Malaria será implementada em regime piloto na província de Nampula, nos distritos de Malema e Mecoburi, ambos escolhidos “após análise da estratificação da malária, sazonalidade e combinação com outras medidas de intervenção”. Um terceiro distrito, Lalaua, será envolvido na avaliação como controlo.

Caso os resultados sejam positivos, o Misau vai expandir o método para outros locais em 2021. De acordo com o mais recente relatório anual sobre malária da Organização Mundial de Saúde (OMS), relativo a dados de 2018 e divulgado há um ano, 968 mortes devidas à malária foram oficialmente registadas em Moçambique, menos 146 que no ano anterior e menos 2.386 que em 2010.

Segundo o mesmo relatório, estima-se o total de mortes, além dos casos registados, entre 11.900 a 18.400 pessoas. Em oito anos, houve uma descida de 23% no limite inferior da estimativa, enquanto o limite superior praticamente se manteve.

LEIA TAMBÉM
Antigos presidentes brasileiros criticam Bolsonaro em dia de eleições autárquicas

Moçambique tem perto de 30 milhões de habitantes e é um dos países onde a doença se mantém endémica

O país, com cerca de 29,5 milhões de habitantes, faz parte de um grupo de 11 Estados prioritários da iniciativa intitulada “De grande carga a grande impacto”, com a qual a OMS visa acelerar os progressos no combate onde a doença se mantém endémica.

De acordo com o último relatório anual, seis países concentram quase metade das infeções no mundo: Nigéria (25%), República Democrática do Congo (12%), Uganda (5%), Costa do Marfim, Níger e Moçambique (4% cada). Em 2018, as estimativas apontam para que a doença tenha causado mais de 400 mil mortes, 380 mil em África e 270 mil em crianças com menos de 05 anos.

LEIA AGORA
Chantagem sexual através da Internet: saiba o que é a sextortion

Impala Instagram


RELACIONADOS