Metro do Porto já submeteu Estudo de Impacto Ambiental da Linha Rubi

A Metro do Porto já submeteu à Agência Portuguesa do Ambiente o Estudo de Impacto Ambiental do projeto da linha Rubi, que inclui uma nova ponte sobre o Douro, disse hoje fonte oficial da empresa.

Metro do Porto já submeteu Estudo de Impacto Ambiental da Linha Rubi

Metro do Porto já submeteu Estudo de Impacto Ambiental da Linha Rubi

A Metro do Porto já submeteu à Agência Portuguesa do Ambiente o Estudo de Impacto Ambiental do projeto da linha Rubi, que inclui uma nova ponte sobre o Douro, disse hoje fonte oficial da empresa.

Nos próximos dias, o estudo deverá ficar disponível para consulta pública, período que legalmente dura 100 dias úteis, aguardando-se depois a emissão de uma Declaração de Impacto Ambiental (DIA) por parte da APA relativa à linha Rubi. O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, já tinha dito na segunda-feira, no Porto, que a Metro iria avançar esta semana com a entrega do estudo junto da APA. Segundo o governante, o estudo inclui já a nova ponte sobre o Rio Douro, que unirá as margens nas zonas da Arrábida (Gaia) e Campo Alegre (Porto).

A linha Rubi será uma nova linha do Metro do Porto entre Santo Ovídio (Vila Nova de Gaia) e Casa da Música (Porto), com passagem na estação ferroviária das Devesas, em Gaia. No dia 16 de maio o presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, já tinha dito que o EIA “é de toda a linha, onde se inclui a ponte”, e que o projetista da travessia está a dialogar com o arquiteto Siza Vieira, autor da Faculdade de Arquitetura, sobre a inserção da nova estrutura no Campo Alegre.

“Os projetos estão a ser alinhados neste momento, em termos de estudo prévio, e até ao final de setembro, início de outubro, acreditamos já ter o projeto final, para avançarmos até ao final do ano com o projeto de execução da empreitada, que será também uma única empreitada”, acrescentou então o responsável à Lusa. A futura linha Rubi deverá retirar 5,2 milhões de pessoas do carro em 2026, ano previsto para o seu arranque.

De acordo com o estudo de procura disponível no ‘site’ da Metro do Porto, em 2026, ano em que se prevê o arranque da linha, estão previstos 11,4 milhões de passageiros para o traçado. Em 2026, com o efeito da entrada em operação da linha Rubi, o número de passageiros em transportes públicos (na Sociedade de Transportes Coletivos do Porto [STCP}, nos operadores privados e na CP – Comboios de Portugal) também aumenta em dois milhões.

No entanto, o estudo define o ano cruzeiro da operação como 2029, e aí “o potencial de captação da linha Casa da Música — Devesas — Santo Ovídio é de 12,7 milhões de passageiros em 2029, sendo que destes 3,5% advém da procura de indução”. Ainda em 2029, “relativamente aos modos concorrenciais verifica-se uma diminuição nos utilizadores de transporte individual, de 5,8 milhões de passageiros, em paralelo com um aumento nos utilizadores de transporte público (considerando os passageiros da STCP, operadores privados e comboio) de 2,2 milhões de passageiros”.

Em Gaia, as estações previstas para a linha Rubi são Santo Ovídio, Soares dos Reis, Devesas, Rotunda, Candal e Arrábida, e no Porto Campo Alegre e Casa da Música. A construção da linha Rubi, prevista no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), custará 300 milhões de euros mais IVA.

Impala Instagram


RELACIONADOS