Covid-19: Rio de Janeiro adia para 15 de setembro exigência de certificado de vacinação

A cidade brasileira do Rio de Janeiro adiou para 15 de setembro a entrada em vigor do certificado de vacinação contra a covid-19 para permitir acesso a vários locais públicos, prevista para esta quarta-feira, anunciaram hoje fontes oficiais.

Covid-19: Rio de Janeiro adia para 15 de setembro exigência de certificado de vacinação

Covid-19: Rio de Janeiro adia para 15 de setembro exigência de certificado de vacinação

A cidade brasileira do Rio de Janeiro adiou para 15 de setembro a entrada em vigor do certificado de vacinação contra a covid-19 para permitir acesso a vários locais públicos, prevista para esta quarta-feira, anunciaram hoje fontes oficiais.

A cidade brasileira do Rio de Janeiro adiou para 15 de setembro a entrada em vigor do certificado de vacinação contra a covid-19 para permitir acesso a vários locais públicos, prevista para esta quarta-feira, anunciaram hoje fontes oficiais.

A autarquia justificou o adiamento com instabilidade no ‘ConecteSUS’, uma nova aplicação do Ministério da Saúde que permite ao cidadão brasileiro visualizar ou guardar o seu certificado de imunização.

“Em virtude da instabilidade do ‘ConecteSUS’ para retirada dos certificados de vacinação, a Prefeitura do Rio de Janeiro adia para o dia 15 de setembro o início da verificação da situação vacinal para entrada em estabelecimentos fechados”, indicou o município, num comunicado enviado à imprensa.

“Nesse período, entre os dias 01 e 14 de setembro, será realizada uma série de ações educativas com o setor regulado, e essa cobrança pode ser iniciada por cada setor que já se sinta preparado e queira estimular a vacinação”, acrescentou.

A previsão inicial era que o certificado de vacinação para permitir o acesso a determinados locais públicos entrasse em vigor já na quarta-feira.

Na semana passada, a prefeitura do Rio de Janeiro determinou, através de um decreto municipal, a verificação obrigatória de vacinação para entrar no “interior de estabelecimentos e dependências de uso coletivo”, como pontos turísticos, museus, feiras, ginásios, clubes sociais, teatros, parques de diversões, circos e cinemas, entre outros.

O decreto, que consiste em quatro medidas, inclui também a certificação de vacinação para cirurgias não essenciais.

A medida, no entanto, deixou bares, restaurantes e ‘shopping centers’ fora da lista.

O ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, manifestou-se na semana passada contra a adoção do denominado “passaporte de vacinação” para os cidadãos acederem a determinado local, classificando a medida como “descabida” e afirmando que “não ajuda em nada”.

O Brasil, um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, acumula mais de 20,7 milhões de casos confirmados e 579.574 óbitos associados ao novo coronavírus.

A covid-19 provocou pelo menos 4.507.823 mortes em todo o mundo, entre mais de 216,98 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS