Missão da OMS para descobrir origem do vírus parte em janeiro

Uma equipa científica internacional coordenada pela Organização Mundial de Saúde partirá em janeiro para a China para descobrir a origem do novo coronavírus, afirmou hoje aquela agência das Nações Unidas.

Missão da OMS para descobrir origem do vírus parte em janeiro

Missão da OMS para descobrir origem do vírus parte em janeiro

Uma equipa científica internacional coordenada pela Organização Mundial de Saúde partirá em janeiro para a China para descobrir a origem do novo coronavírus, afirmou hoje aquela agência das Nações Unidas.

Uma equipa científica internacional coordenada pela Organização Mundial de Saúde partirá em janeiro para a China para descobrir a origem do novo coronavírus, afirmou hoje aquela agência das Nações Unidas.

“Posso confirmar que [a missão à China] ocorrerá em janeiro”, disse um porta-voz da OMS, Hedinn Halldorson, à agência France Presse, confirmando o que um dos peritos indicados tinha dito à imprensa.

Desde agosto que a OMS está em diálogo com peritos chineses e de outros países para uma missão cujo objetivo é descobrir a origem do SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, e que a organização afirma ser zoonótica, ou seja, foi transmitido de um animal para os humanos.

Os primeiros casos de infeção foram registados em Wuhan, uma cidade no centro da China.

Mais 82 mortos em Portugal

Mais 82 pessoas morreram nas últimas 24 horas por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde desta quarta-feira, 16 de dezembro, e houve mais 4.720 novas infeções. Registam-se agora totais de 5.815 mortes e de 358.296 infetados em Portugal.

Os 4 casos de quem deve estar atento e não deve falhar a vacinação

Perante a necessidade de adotar medidas de carácter excecional e temporário para prevenção da transmissão da infeção por covid-19, estabelecem-se quatro prioridades de vacinação:

1. Vacinação recomendada até aos 12 meses de idade, inclusive. As crianças devem cumprir atempadamente a vacinação recomendada no primeiro ano de vida, que confere proteção precoce contra onze doenças potencialmente graves. Aos 12 meses, as vacinas contra o meningococo C e contra o sarampo, papeira e rubéola são muito importantes. A situação epidemiológica do sarampo a nível mundial não permite adiar esta vacina. Às crianças que têm estas vacinas em atraso, recomenda-se a vacinação o mais brevemente possível. Deve contactar a sua Unidade de Saúde.

2. Vacinação BCG das crianças com risco identificado de tuberculose grave, de acordo com Norma da DGS

3. Vacinação de doentes crónicos e outros grupos de risco no âmbito do PNV

4. Grávidas – Devem procurar ativamente a vacinação contra a tosse convulsa, que tem como objetivo a proteção do bebé nos primeiros meses de vida. A vacinação poderá ser adiada, mas nunca para além das 28 a 32 semanas de gestação.

LEIA MAIS

Meteorologia: Previsão do tempo para quinta-feira, 17 de dezembro

 

Impala Instagram


RELACIONADOS