Covid-19: Estudo português defende testes de saliva como alternativa à zaragatoa

Estudo realizado por quatro instituições de ensino superior portuguesas e submetido para avaliação na plataforma de publicações científicas Diagnostics defende que as amostras de saliva são alternativa aos tradicionais testes de zaragatoa na deteção da covid-19.

Covid-19: Estudo português defende testes de saliva como alternativa à zaragatoa

Covid-19: Estudo português defende testes de saliva como alternativa à zaragatoa

Estudo realizado por quatro instituições de ensino superior portuguesas e submetido para avaliação na plataforma de publicações científicas Diagnostics defende que as amostras de saliva são alternativa aos tradicionais testes de zaragatoa na deteção da covid-19.

Estudo realizado por quatro instituições de ensino superior portuguesas e submetido para avaliação na plataforma de publicações científicas Diagnostics defende que as amostras de saliva são alternativa aos tradicionais testes de zaragatoa na deteção da covid-19.

Apesar de “alguma heterogeneidade” nas metodologias, a proporção de pacientes infetados e não infetados corretamente detetada pelos testes de saliva foi de 83,9% e de 96,4%, respetivamente conclui o estudo, que aguarda ainda ‘peer review’ (avaliação por pares).

O estudo – realizado por investigadores da Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz, da Faculdade de Farmácia de Lisboa, do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa – indica que a segunda melhor amostra foi a recolhida na região profunda da garganta (DTS/POS), que obteve uma melhor taxa de deteção correta da infeção (90,1%) do que a saliva, mas um valor bastante inferior para a correta deteção de não infetados (63,1%).

De acordo com informação divulgada pela Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz, a capacidade de correta deteção de não infetados foi ainda mais baixa (25,4%) para amostras de expetoração, apesar da razoavelmente elevada sensibilidade na deteção de casos positivos (85,4%).

O trabalho de investigação propõe que, por se basear numa amostra fácil de recolher, o teste de saliva pode aumentar significativamente a capacidade de testagem da população e promover a realização de testes rigorosos em locais como hospitais e clínicas ou escolas, aeroportos e lares.

“Globalmente, a performance clínica de outros tipos de amostras (urina, fezes e lágrimas) foi inferior, mas é importante salientar que o número de estudos relacionados com este tipo de amostras ainda é escasso neste momento”, ressalva o estudo proposto para avaliação.

 

Impala Instagram


RELACIONADOS