COP26: Papa apela aos líderes políticos urgência nas respostas à crise ecológica

O Papa apelou aos dirigentes políticos que vão participar na COP26, em Glasgow, urgência nas respostas à crise ecológica existente, de forma a dar esperança às futuras gerações”.

COP26: Papa apela aos líderes políticos urgência nas respostas à crise ecológica

COP26: Papa apela aos líderes políticos urgência nas respostas à crise ecológica

O Papa apelou aos dirigentes políticos que vão participar na COP26, em Glasgow, urgência nas respostas à crise ecológica existente, de forma a dar esperança às futuras gerações”.

Numa mensagem enviada à BBC, Francisco disse que a população “está submersa numa série de crises sanitárias, ambientais, alimentares, económicas, sociais, humanitárias e éticas”, sendo o “prenúncio de uma tempestade perfeita”. Francisco explicou que “toda crise exigem visão, capacidade de planeamento e rapidez de execução”.

O papa exortou os responsáveis políticos para “uma corresponsabilidade global renovada, uma nova solidariedade fundada na justiça, na compartilhar de um destino comum e na consciência da unidade da família humana”. Lembrou o recente apelo que assinou há poucos dias com líderes religiosos e científicos a pedir “ações mais responsáveis e coerentes” para todos nós e nossos líderes.

“Na ocasião, fiquei impressionado com o depoimento de um dos cientistas que disse: ‘[a] Minha neta, que acaba de nascer, em 50 anos terá que viver num mundo inabitável, se as coisas continuarem assim'”, disse o Papa. “Não podemos permitir isso!”, afirmou Francisco. Por isso, o Papa exortou a uma ação responsável em favor da cultura do cuidado do planeta.

“A humanidade nunca teve tantos meios para alcançar essa meta como agora”, disse.

“Nós podemos desempenhar um papel na modificação de nossa resposta coletiva à ameaça sem precedentes da mudança climática e da degradação de nosso lar comum”, sublinhou. A princípio, pensou-se que Francisco participaria na cimeira de Glasgow, mas a representação do Vaticano será feita pelo Secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se, entre 31 de outubro e 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, na 26.ª conferência das Nações Unidas (ONU) sobre alterações climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030. A COP26 decorre cinco anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial. Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de covid-19, segundo a ONU, que estima que ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7ºC.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS