Câmara de Lisboa cria bolsa de emprego para sem-abrigo

A Câmara Municipal de Lisboa anuncia a criação de uma bolsa de emprego, em parceria com o Instituto de Segurança Social, que contempla a atribuição de 200 vagas para sem-abrigo.

Câmara de Lisboa cria bolsa de emprego para sem-abrigo

Câmara de Lisboa cria bolsa de emprego para sem-abrigo

A Câmara Municipal de Lisboa anuncia a criação de uma bolsa de emprego, em parceria com o Instituto de Segurança Social, que contempla a atribuição de 200 vagas para sem-abrigo.

A Câmara Municipal de Lisboa anuncia a criação de uma bolsa de emprego apoiado, em parceria com o Instituto de Segurança Social, que contempla a atribuição de 200 vagas para pessoas sem-abrigo. A medida integra o Plano Municipal de Lisboa para Pessoas em Situação de Sem Abrigo (2019/2023), apresentado nos Paços do Concelho, numa cerimónia em que participou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Este plano tem como destinatários os 361 sem-abrigo e as 1967 pessoas que não têm casa e vivem em alojamentos temporários, tendo como áreas de intervenção a habitação, a saúde e o emprego.

LEIA DEPOIS
Prisão efetiva para homem que tentou matar cunhado com machado em Águeda

Plano prevê também um apoio a nível de saúde

No âmbito do emprego, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), adiantou que a autarquia vai abrir 200 vagas nos departamentos da autarquia e das empresas municipais, em áreas como os espaços verdes, jardinagem, urbanismo e transportes. “Temos muitos casos de pessoas em sem-abrigo que terão muita dificuldade em ocupar um posto de trabalho normal. E pensamos que antes de pedir a uma empresa, onde é mais difícil a inserção num posto de trabalho normal, de cumprir um horário e desempenhar esse trabalho com competência, se deve começar por inserir num ambiente mais protegido”, explicou o autarca.

O plano prevê também um apoio a nível de saúde, estando prevista a implementação de um programa de saúde oral e serviço de clínica geral, com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, garantindo 1500 consultas gratuitas de medicina dentária. Fernando Medina destacou igualmente o reforço das respostas habitacionais, nomeadamente daquelas que decorrem ao abrigo do programa “Housing First”, em que se atribui a um sem-abrigo uma habitação antes de iniciar todo o processo de acompanhamento e apoio na sua integração social. Às 80 vagas já existentes, o município de Lisboa pretende somar 320 até 2023.

LEIA MAIS
Metro de Lisboa fecha três horas mais cedo na véspera de Natal
Encontrado corpo de holandês desaparecido no Guadiana

Impala Instagram


RELACIONADOS