Orgasmo mental: saiba como ter prazer sem qualquer toque físico

Numa era cada vez mais virtual existe uma curiosidade crescente em torno do orgasmo mental, que garante prazer sem qualquer toque físico.

Orgasmo mental: saiba como ter prazer sem qualquer toque físico

Orgasmo mental: saiba como ter prazer sem qualquer toque físico

Numa era cada vez mais virtual existe uma curiosidade crescente em torno do orgasmo mental, que garante prazer sem qualquer toque físico.

Numa era cada vez mais virtual, e com um número cada vez maior de adeptos do metaverso, existem mais debates em torno do prazer sexual. Sendo que várias vozes debatem a possibilidade de atingir orgasmos sem a existência de qualquer toque físico. É aqui que entra aquilo a que se chama de orgasmo mental. Só falta saber se é mesmo possível atingi-lo.

Descubra se são as mulheres ou os homens que se fartam mais depressa do sexo
Vários estudos revelam se são as mulheres ou os homens que tendem a fartar-se mais depressa do sexo com o passar dos anos da relação (… continue a ler aqui)

E a verdade é que é mesmo possível atingir o orgasmo sem que exista qualquer estímulo que recorra ao toque físico. Quem o garante é a psicóloga e sexóloga Alessandra Araújo. Em conversa com o Pouca Vergonha realça que o ponto alto do prazer está tão ligado ao corpo como à mente. “A mente tem poderes muito mágicos. Um exemplo dessa possibilidade é o facto de muitas pessoas acordarem excitadas e completamente molhadas depois de um sonho erótico, em que tudo aconteceu na imaginação. É tudo trabalho da mente”, explica.

Orgasmo mental pode ser treinado

Sendo assim, como se atinge este orgasmo mental? Explica a especialista que o processo é o mesmo que acontece com a excitação visual e auditiva. Se as pessoas aprenderem a trabalhar os cinco sentidos, de forma junta e separada, vão ter acesso a sensações nunca antes vividas, salienta Alessandra. “A habilidade de atingir o orgasmo sem toques físicos pode, sim, ser treinada. E, com o tempo, esses orgasmos podem vir a ser até mais intensos do que os tradicionais”, refere.

Por fim, a especialista deixa um alerta. Para que o sexo e a mente sejam encarados da mesma forma e como dependentes um do outro. “Infelizmente, temos uma cultura que diz ser necessário estar muito bem, tranquilo e com todas as necessidades atendidas para poder ter uma vida sexual boa com a outra pessoa, mas não é isso. O sexo serve também como esse relaxamento”, conclui.

Texto: Bruno Seruca; Fotos: Shutterstock

Impala Instagram


RELACIONADOS