Eliana: «Estava grávida de 7 meses quando a minha mãe morreu carbonizada»

Eliana Voigt esteve à conversa com Júlia Pinheiro e fez algumas revelações sobre o passado. Aos 19 anos e grávida de sete meses, a jovem perdeu a mãe que morreu carbonizada dentro do apartamento.

Eliana: «Estava grávida de 7 meses quando a minha mãe morreu carbonizada»

Eliana Voigt esteve à conversa com Júlia Pinheiro e fez algumas revelações sobre o passado. Aos 19 anos e grávida de sete meses, a jovem perdeu a mãe que morreu carbonizada dentro do apartamento.

Eliana Voigt foi a convidada desta quinta-feira, 10 de janeiro, de Júlia Pinheiro no programa ‘Júlia’ da SIC. A jovem das Caldas da Rainha fez algumas confissões sobre o passado, que a Nova Gente revela. Eliana tinha apenas 19 anos e estava grávida de sete meses quando a mãe morreu.

«Eu estava grávida de sete meses quando um tio meu me ligou a dizer o que tinha acontecido. Não foi fácil. Nenhuma morte é boa, muito menos a de uma mãe. A minha mãe faleceu carbonizada dentro do apartamento», revela.

LEIA MAIS: Diana Chaves e Hugo Oliveira já se conheciam antes de Casados à Primeira Vista

Para Eliana a morte da mãe foi um verdadeiro mistério. Apesar de os bombeiros referirem que a progenitora da ex-concorrente de Casados à Primeira Vista «foi encontrada na cama, em posição de dormir», Eliana não se convenceu.

«Passado um ano e meio fui falar com o Comandante dos Bombeiros e disse-lhe de quem era filha e queria saber. Ele disse-me que foi encontrada no chão ao lado da cama», refere. Eliana questionou-se sobre o porquê de lhe terem mentido.

A jovem das Caldas da Rainha afirma que a mãe vivia «uma depressão há muitos anos», no entanto naquela altura «estava contente que ia ser avó, estava feliz».

«Achei que tinham simulado o falecimento»

Não acreditando que tinha perdido a mãe e depois de todas as mentiras que veio a descobrir terem sido contadas, Eliana viveu um período menos bom.

«Achei que me estavam a mentir. A policia contava-me uma coisa, os bombeiros diziam outra, o resultado da autópsia nunca veio. O caixão obviamente não foi aberto», conta.

«Na minha cabeça eu achei que a minha mãe quis refazer a vida dela fora daqui. Que tinham simulado o falecimento para ela refazer a vida e ninguém ir à procura dela», termina.

LEIA MAIS: Previsão do tempo para sábado, 12 de janeiro de 2019

Texto: Redação WIN – Conteúdos Digitais; Fotos: DR e Reprodução Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS