Diogo Amaral manteve-se distante do sentimento de paternidade até o filho ter 2 anos

Diogo Amaral e Jessica Athayde estão prestes a conhecer o primeiro filho em comum. Oliver deverá nascer em maio e o casal não podia estar mais feliz

Diogo Amaral manteve-se distante do sentimento de paternidade até o filho ter 2 anos

Diogo Amaral manteve-se distante do sentimento de paternidade até o filho ter 2 anos

Diogo Amaral e Jessica Athayde estão prestes a conhecer o primeiro filho em comum. Oliver deverá nascer em maio e o casal não podia estar mais feliz

Diogo Amaral está «preparadíssimo» para voltar às fraldas. Pai de Mateus, com quatro anos, nascido da anterior relação com Vera Kolodzig, vai bisar com a chegada de Oliver, fruto do namoro com Jessica Athayde. Até ao nascimento do bebé, o primeiro da atriz, Diogo vai lidando com as alterações hormonais da companheira.

«Detesto gravidezes, já disse isso. As mulheres ficam mais sensíveis, desconfortáveis, as hormonas tomam conta delas…», começa por descrever. «Eu consigo ver os olhos da Jessica a mudar e vou-me logo embora», atira. O ator diz ainda não acreditar «quando as mulheres dizem que gostam de estar grávidas». «Acho que estão a mentir», brinca.

«Um homem precisa de ser paciente sempre. Se bem que, nesta fase, se a Jessica me disser que 1+1 são 5, eu digo que sim», prossegue.

Distante do sentimento de paternidade
Diogo admite que, quando Mateus nasceu, manteve-se distante do sentimento de paternidade. «Acho que só me caiu a ficha quando ele fez dois anos. Eu fazia tudo e participava, mas não era uma coisa… não curtia. Não sabia lidar», confessa.

Com Oliver, que deverá nascer em maio, quer comportar-se de maneira diferente. «Quando me caiu a ficha em relação ao Mateus, eu comecei a tirar prazer e agora sinto que quero fazer as coisas de maneira diferente. Há coisas das quais quero desfrutar de outra maneira», termina.

Texto: Ana Lúcia Sousa e Ana Filipe Silveira; Fotos: Nuno Moreira e reprodução redes sociais

 

Impala Instagram


RELACIONADOS