Cláudia Vieira responde a quem lhe chama “velha”: “Uma grande dor de corno”

Cláudia Vieira respondeu, sem papas na língua, a todos os que a criticaram sobre a sua aparência, chamando-a de “velha”. “Sinto que essa pessoa deve ter uma grande dor de corno”, disse no podcast É Preciso Ter Lata”.

Cláudia Vieira responde a quem lhe chama

Cláudia Vieira responde a quem lhe chama “velha”: “Uma grande dor de corno”

Cláudia Vieira respondeu, sem papas na língua, a todos os que a criticaram sobre a sua aparência, chamando-a de “velha”. “Sinto que essa pessoa deve ter uma grande dor de corno”, disse no podcast É Preciso Ter Lata”.

No alto dos seus 42 anos, Cláudia Vieira vive com serenidade os efeitos do passar do tempo na pele. Foi durante uma viagem a Barcelona, no passado mês de março, que a atriz e apresentadora foi alvo de críticas nas redes sociais sobre a sua aparência física, depois de ter publicado uma fotografia a dar conta da sua estada na cidade espanhola. “Estás velha”, disseram-lhe na altura.

Durante a sua participação no podcast “É Preciso Ter Lata”, de Pedro Ribeiro e Rita Rugeroni, o rosto da SIC foi desafiada a responder sobre o assunto. “Sinto que essa pessoa deve ter uma grande dor de corno“, começou por dizer, entre risos, para depois acrescentar que até considera não aparentar a idade que tem, fruto dos seus genes familiares.

“Eu vivo muito bem com os meus 42 anos, mesmo muito bem. Acho que transmito isso mesmo e ao mesmo tempo tenho a consciência que tenho uma aparência mais jovem do que a idade que eu tenho. Parece falta de modéstia, mas a verdade é que uma característica da minha família. Todos na minha família parecem mais novinhos”, explanou.

“Eu comecei a representar uma personagem de 17 anos quando tinha 26 e isto acompanhou-me sempre”, disse Cláudia Vieira, referindo-se ao papel que desempenhou na série infanto-juvenil “Morangos com Açúcar”, em 2003, na TVI. Projeto que recorda com muito carinho. “Tenho inúmeras recordações… o ambiente absolutamente incrível entre equipa técnica e atores que não eram atores. Éramos todos uns grandes nabos, rodeados com uns quantos atores a dar apoio e credibilidade a essa série […]. Isso fez com que eu tivesse consciência de que tenho tanto para aprender, mas gosto tanto disto que me via a fazer isto para o resto da vida. Até então não havia nada que me fizesse pensar assim. Foi completamente uma descoberta. ”

Ainda sobre os críticos que a chamam de “velha”, a ex-companheira do ator Pedro Teixeira acrescentou:  “De repente a ler isto eu pensei assim:’ opá, isto é tão fora’. Ou então estão a dizer o quê? Que eu já tenho uma ruguinha ou outra? Claro que tenho e vivo muito bem com ela. Tenho uma avó cheia de rugas. Quem me dera envelhecer como a minha avó”, concluiu.

Texto: Alexandre Oliveira Vaz; Fotos: Redes Sociais

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS