acontecimentos,

O animal ridículo

José Sócrates definia-se como um animal feroz. Quanto à parte do animal, estamos de acordo. Já quanto ao adjectivo feroz, o tempo encarregou-se de o substituir por ridículo.

José Sócrates definia-se como um animal feroz. Quanto à parte do animal, estamos de acordo. Já quanto ao adjectivo feroz, o tempo encarregou-se de o substituir por ridículo. Um animal ridículo que caiu por excesso de confiança e que deixou de herança dos seus anos de governação o maior e mais escandaloso caso de corrupção no País.

José Sócrates tornou-se sinónimo de ridículo e deixou no léxico e imaginação popular palavras como dossiers e envelopes

Da licenciatura na Universidade Independente concluída num domingo aos fatinhos patéticos comprados nos EUA por muitos dólares até ao esquema da compra de milhares de exemplares do livro escrito por um ghostwriter, Sócrates tornou-se sinónimo de ridículo e deixou no léxico e imaginação popular palavras como dossiers e envelopes e um conjunto de escutas que competem seriamente com as filmagens do arquitecto Taveira nos anos 80.

Mas para Sócrates se manter no Poder sem ser questionado foi necessária toda uma entourage que o defendia de dentes cerrados. Um grupo que viu no ex-primeiro-ministro uma oportunidade de ascender socialmente e de exercitar o Poder na senda de se converterem numa ‘elite’ num Portugal dos Pequenitos nauseante.

A TVI foi alvo de um ataque escabroso. A Lusa era o caniche de estimação, com telefonemas do director para alinhar e filtrar as notícias a saírem para a comunicação social

O ataque e o boicote feroz que protagonizou à imprensa que lhe era desfavorável e a tentativa de dominar os meios de comunicação, seria, por si só, um motivo de alerta. A TVI foi alvo de um ataque escabroso. A Lusa era o caniche de estimação, com telefonemas do director para alinhar e filtrar as notícias a saírem para a comunicação social.

Não havendo mais atrasos no processo Operação Marquês, em que está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para acto ilícito, em Março serão conhecidas as acusações. O número de arguidos é elevado e os tentáculos do caso estendem-se ao BES, à CGD, ao Grupo Lena, à Octapharma, à Parque Escolar, a Vale do Lobo e à PT.

Sócrates é agora um animal ridículo e tóxico que todos evitam, a começar por António Costa, o seu antigo braço direito

Mas longe vão os tempos do “preso político” com autocarros apinhados de manifestantes a caminho do Estabelecimento Prisional de Évora e aviões com faixas a pedirem a sua libertação. Sócrates é agora um animal ridículo e tóxico que todos evitam, a começar por António Costa, o seu antigo braço direito.

José Sócrates, enquanto náufrago a lutar para se manter à tona, decidiu processar o Estado português por prejuízos causados pela demora no processo, mas já não há conferência de imprensa no Altis que o salve.

SofiaAfonsoFerreira

Sofia Afonso Ferreira, escritora (sofiafonsoferreira@gmail.com) | Foto: Carlos Ramos


ÚLTIMOS ARTIGOS

O animal ridículo

José Sócrates definia-se como um animal feroz. Quanto à parte do animal, estamos de acordo. Já quanto ao adjectivo feroz, o tempo encarregou-se de o substituir por ridículo.