César Boaventura

César Boaventura | Os agentes do futebol moderno

César Boaventura é empresário de Futebol. Escreve no Portal de Notícias Impala como agente e ator nos meandros de uma indústria que o leitor comum apenas conhece superficialmente.

César Boaventura | Os agentes do futebol moderno

Há versões para todos os gostos, mas tenho para mim uma verdade absoluta: os agentes de futebol são o lubrificante que mantém o mercado de transferências em movimento de forma eficiente, garantindo que clubes e jogadores não sejam explorados e evitando ainda que diversos parasitas que escapam a qualquer mecanismo de controlo possam sugar o dinheiro a profissionais que, muitas vezes, são traídos de forma ingénua.

Ponto prévio: já não faz sentido falar-se em agentes porque, tecnicamente, eles já nem sequer existem. Existem apenas «intermediários licenciados». É esse o quadro jurídico atualmente em vigor. A FIFA aboliu a figura do «agente de jogadores», por várias razões, e substituiu-a pelo «intermediário», muito menos regulamentado.

«70% das transferências eram conduzidas por pessoas que não eram agentes FIFA. Havia, pois, técnicas para contornar o que estava estabelecido.»

Antes da mudança, a FIFA concedeu licenças a agentes que atendiam a certos requisitos, como superar diversos testes e ter um seguro obrigatório de responsabilidade civil. Mas a FIFA descobriu que as suas regulamentações eram geralmente ignoradas e, na maioria dos casos, difíceis de aplicar. De facto, pese embora as boas intenções, a verdade é que cerca de 70% das transferências internacionais eram conduzidas por pessoas que não eram agentes FIFA. Havia, pois, técnicas para contornar o que estava estabelecido.

Duas lacunas essenciais explicam a mudança. Primeira: na maioria das jurisdições, a legislação local permitia que advogados e parentes dos jogadores fizessem negócios. Noutras situações, as pessoas sem licença fizeram os acordos e, em seguida, os agentes da FIFA atuaram como homens de frente. A FIFA simplesmente não tinha recursos nem mão-de-obra suficiente para fiscalizar de forma eficaz aquilo que estava implementado. O departamento jurídico dedicado aos agentes estava terrivelmente sobrecarregado de trabalho, subfinanciado, lento e, em qualquer caso, sujeito a contestações legais.

O que aconteceu, então? A FIFA optou pela desregulamentação. Federações individuais passaram a ser responsáveis ​​pelo registo de intermediários. Qualquer pessoa com algumas centenas de euros (menos do que isso, em alguns lugares) e que atenda aos requisitos mais básicos (as condenações por fraude são desaprovadas) pode tornar-se um intermediário.

«Os agentes serão forças positivas ou negativas em função daquilo que os clubes permitirem»

Que efeitos se sentiram e ainda podem vir a sentir com a alteração desse quadro? Provavelmente, nada de muito significativo, para além do facto de que a FIFA estará menos envolvida e terá menos dores de cabeça.

A questão continuará a mesma: os agentes serão forças positivas ou negativas em função daquilo que os clubes permitirem.

Em 2013, a FIFA divulgou as conclusões de um estudo que mostrou que algumas taxas e comissões dos agentes representavam perto de 30% do valor de todas as transferências internacionais. Muito? Pouco? Depende sempre do contexto.

Comissões e taxas não se aplicam apenas quando há um número de transferência. Eles geralmente são pagos quando um negócio de empréstimo é feito ou quando um jogador assina como livre. Um caso: Radamel Falcao foi para o Chelsea por empréstimo. Pode haver quem não entenda, mas isso implica sempre uma comissão. E às vezes muito mais alta do que se julga. Se David De Gea cumprir o contrato e deixar o United numa transferência gratuita no próximo ano, então, novamente, o clube por quem ele assinar vai pagar uma comissão. Alta, claro! No entanto, em ambos os casos, o valor da transferência é zero. É por isso que esse número de 28 por cento é enganador.

«Por que é que dois grandes clubes quando fazem negócio precisam de intermediário?»

Dito isso, é justo perguntar por que dois grandes clubes quando fazem negócios entre si precisam envolver intermediários para agir em nome deles. Pensaria que se o Manchester United quisesse comprar Bastian Schweinsteiger do Bayern de Munique, por exemplo, tudo o que precisaria acontecer seria o vice-presidente executivo Ed Woodward chamar o CEO Karl-Heinz Rummenigge e fazer uma oferta. Se concordarem com um preço, Woodward poderia telefonar para Robert Schneider, agente de Schweinsteiger, e negociar um contrato com ele. Se Schweinsteiger concordasse, tudo estaria feito.

Nenhuma comissão de agente ou comissão paga a ninguém, a não ser Schweinsteiger, que está a pagar à Schneider por negociar o novo contrato com o United. Simples, certo? Na vida real não funciona assim.

O Manchester United não gostaria de fazer uma oferta por Schweinsteiger, a menos que estivesse razoavelmente confiante de que ele concordaria em ser um deles. Caso contrário, isso faria com que parecessem maus, porque revelaria o quanto eles poderiam gastar com um médio internacional e desestabilizar os restantes jogadores do United na posição de Schweinsteiger.

Mas o United não tem como saber se ele quereria assinar, a menos que falassem com ele ou, pelo menos, com Schneider. Só que eles não deveriam falar com Schneider sobre Schweinsteiger sem a permissão do Bayern por causa dos regulamentos. Além do mais, eles não quereriam mostrar a sua mão. Eles não quereriam Schneider a correr para Rummenigge no segundo em que eles desligassem o telefone com o United a dizer: “Olha, o meu jogador tem uma oferta”.

Assim, o Manchester United empregaria um agente de confiança para agir em seu nome e conversar com Schneider. Ele também descobriria os termos do contrato atual de Schweinsteiger, que o United precisaria de saber para fazer uma oferta razoável. O agente atuando em nome do United também permitiria que eles mantivessem algum nível de distância e negação plausível. Também permitiria que o United empregasse outros agentes para buscar outras ofertas para os jogadores na posição de Schweinsteiger.

Se a resposta de Schweinsteiger fosse positiva, o United poderia falar diretamente com o Bayern, mas aqui também era melhor enviar um intermediário, porque não quereriam que o Bayern expusesse o fato de ter feito uma oferta, alertando outros potenciais compradores e possivelmente criando um leilão.

«Os agentes são necessários para tornar um mercado mais eficiente?»

Todos estes itens acima custam tempo e dinheiro. Os agentes não agem de graça e geralmente são pagos apenas se o acordo for bem sucedido, o que significa que eles precisam fazer muito em termos de tempo e recursos. Quando fecham uma venda, querem garantir que sejam pagos.

Vou enfatizar que todo este exemplo citado é apenas isso mesmo: um exemplo. Mas espero que isso mostre por que até os grandes clubes que conversam entre si podem ter pessoas a representá-los, mesmo quando estamos a falar de jogadores de grandes clubes. Há muito mais situações em que os clubes recorrem a intermediários, como, por exemplo, vender um jogador que não querem mais, particularmente no exterior.

Depois, há outras razões menos óbvias. Às vezes, um intermediário pode estar envolvido apenas para obter uma parte da transferência.

Então, isso significa que os agentes são necessários para tornar um mercado mais eficiente?

Sim e não. Poderia pensar que, em muitos casos, os motivos dos clubes para usar intermediários são fracos e que, se eles fossem um pouco mais transparentes, poderiam negociar diretamente uns com os outros e economizar dinheiro. Por outro lado, é um pouco como vender uma casa. Pode pagar uma comissão a um agente de imóveis que faz isso (em segredo) ou pode aproximar-se de pessoas que acha que poderiam estar interessadas em comprar a sua casa. O primeiro, provavelmente, trará um preço melhor, apesar da comissão.

O que é óbvio, no entanto, é que agora que tivemos mais desregulamentação e mais dinheiro a circular em torno do futebol, os clubes precisarão de ser ainda mais inteligentes e cuidadosos em relação a todas as partes com quem lidam. E talvez alguns percebam que o intermediário pode ajudar a serem mais eficientes a fazer negócios.

Cesar Boaventura

César Boaventura, empresário de Futebol


ÚLTIMOS ARTIGOS

César Boaventura | Os agentes do futebol moderno

César Boaventura é empresário de Futebol. Escreve no Portal de Notícias Impala como agente e ator nos meandros de uma indústria que o leitor comum apenas conhece superficialmente.