Ucrânia: Kremlin decreta serviço militar obrigatório de primavera

A Rússia retomou a mobilização de mancebos para o serviço militar obrigatório na altura em que se prolonga a invasão na Ucrânia, tendo o Kremlin garantindo que os novos recrutas não vão ser enviados para a guerra.

Ucrânia: Kremlin decreta serviço militar obrigatório de primavera

Ucrânia: Kremlin decreta serviço militar obrigatório de primavera

A Rússia retomou a mobilização de mancebos para o serviço militar obrigatório na altura em que se prolonga a invasão na Ucrânia, tendo o Kremlin garantindo que os novos recrutas não vão ser enviados para a guerra.

A Rússia retomou a mobilização de mancebos para o serviço militar obrigatório na altura em que se prolonga a invasão na Ucrânia, tendo o Kremlin garantindo que os novos recrutas não vão ser enviados para a guerra. Todos os anos, dezenas de milhares de russos com idades entre os 18 anos e os 27 anos são mobilizados para o Exército cumprindo dois períodos de recruta: na primavera e no verão e depois nos meses de outono.

Para a mobilização da primavera de 2022, o presidente Vladimir Putin, fixou como objetivo a recruta de 134.500 jovens, de acordo com um decreto publicado hoje pelo Kremlin “para o período de um ano”. As primeiras incorporações nas unidades militares devem ocorrer no final de maio. No entanto, muitos jovens russos conseguem evitar o serviço militar obrigatório pagando subornos ou através do prolongamento das autorizações médicas ou relacionadas com estudos académicos.

Ucrânia: Mais de 4,1 milhões de refugiados com fluxo a cair há 10 dias

Mais de 4,1 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde a invasão ordenada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, em 24 de fevereiro, segundo os dados divulgados hoje pelo Alto ACNUR (…continue a ler aqui)

A atual mobilização é decretada em plena ofensiva da Rússia contra o território ucraniano.  No dia 09 de março, o Ministério da Defesa russo admitiu que jovens recrutas que cumprem o serviço militar obrigatório foram enviados para combates na Ucrânia e que alguns foram capturados pelas forças da Ucrânia. O Exército russo disse na altura que os recrutas foram enviados para a Ucrânia “por engano” e que os jovens iam ser “repatriados”.

O Kremlin referiu hoje que, de acordo com as instruções de Vladimir Putin, apenas militares profissionais, tendo assinado um contrato, combatem na Ucrânia. Vários órgãos de comunicação russos independentes relataram casos de recrutas que foram coagidos ou “encorajados” a assinar um contrato e depois enviados para a guerra da Ucrânia.

A 29 de março, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, reafirmou que nenhum recruta vai ser enviado para “zonas de combate”, acrescentando que aqueles jovens cujo serviço militar vai terminar nos próximos meses vão passar à condição de reservistas e enviados para casa.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.232 civis, incluindo 112 crianças, e feriu 1.935, entre os quais 149 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos. A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia. A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Impala Instagram


RELACIONADOS