Três dias “com a boca no trombone” em festival internacional em Braga

A cidade de Braga vai acolher, de 29 a 31 de julho, o 3.º Festival Internacional de Trombone, com três espetáculos e uma programação paralela de caráter pedagógico, com ‘masterclasses’ e oficinas, foi hoje anunciado.

Três dias

Três dias “com a boca no trombone” em festival internacional em Braga

A cidade de Braga vai acolher, de 29 a 31 de julho, o 3.º Festival Internacional de Trombone, com três espetáculos e uma programação paralela de caráter pedagógico, com ‘masterclasses’ e oficinas, foi hoje anunciado.

O programador do festival, Zeferino Pinto, disse à Lusa que pelo palco vão passar alguns dos melhores trombonistas portugueses, que tocam em orquestras nacionais e estrangeiras “de referência”.

“Estamos a falar, por exemplo, de João Martinho, que trabalha na Philharmonisches Staatsorchestes Hamburg (Alemanha), ou de Gabriel Antão, da Tonkünstler-Orchester Niederösterreich (Viena, Áustria)”, referiu.

Outro dos nomes em destaque é Ricardo Pereira, da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.

Organizado pelo Município de Braga e pela Associação Portuguesa do Trombone (APT), o festival contará, no primeiro dia, com GMS — Quinteto de Metais, do Seixal.

No dia 30, a proposta é Táxi Groove, um projeto que nasceu de um grupo de músicos residentes em Lisboa.

No último dia, o festival apresenta o Ensemble APT & Friends, juntando trombonistas de referência a trabalhar nas principais instituições em Portugal e na Europa e professores dos vários conservatórios e escolas superiores de música portuguesas.

Este concerto contará com as prestações dos solistas internacionais Martin Schippers e Lars Ragnar Karlin.

Todos os concertos terão lugar no Espaço Vita.

Por outro lado, o festival privilegiará uma programação de caráter pedagógico, tendo em vista o desenvolvimento musical e humano de jovens trombonistas, através da realização de diversas atividades como ‘masterclasses’ e oficinas, no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga.

Para a vereadora da Cultura da Câmara de Braga, Lídia Dias, o festival, além de promover o trombone e de potenciar os talentos locais, proporcionando-lhes o contacto com projetos musicais de outras proveniências, contribui ainda para a formação musical dos alunos de vários pontos do país.

No total, festival deve reunir cerca de 70 músicos e professores de trombone.

“A procura pelo trombone tem vindo a crescer imenso em Portugal e de uma forma muito particular em Braga”, disse ainda Zeferino Pinto.

VCP // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS