Timor-Leste e Banco Asiático de Desenvolvimento acordam empréstimo para água e saneamento

O Governo timorense e o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) assinaram um contrato de empréstimo de 47 milhões de dólares (40 milhões de euros) para instalação de serviços de água e saneamento em três municipios de Timor-Leste.

Timor-Leste e Banco Asiático de Desenvolvimento acordam empréstimo para água e saneamento

Timor-Leste e Banco Asiático de Desenvolvimento acordam empréstimo para água e saneamento

O Governo timorense e o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) assinaram um contrato de empréstimo de 47 milhões de dólares (40 milhões de euros) para instalação de serviços de água e saneamento em três municipios de Timor-Leste.

Destinado a fornecer “seguros, fiáveis e acessíveis a cerca de 62.000 pessoas” nos municípios de Lospalos, Viqueque e Same, o projeto prevê a construção de 14 reservatórios de água e sete estações de tratamento de água.

“Ajudará também a reabilitar e expandir 130 quilómetros da rede de distribuição de água da região, instalar contadores de água para 10.000 casas e construir 12 sanitários públicos e três instalações de tratamento de esgoto”, explica-se num comunicado enviado à Lusa.

O ministro das Finanças recordou que este é mais um empréstimo entre Timor-Leste e o BAD — os empréstimos com a instituição representa quase 60% de todos os atuais do país — que permitirá reforçar as infraestruturas nacionais.

“Através de empréstimos, assistência técnica e subvenções, Timor-Leste pode desenvolver conectividade, investindo em capital humano para melhorar a produtividade dos trabalhadores, o que é essencial para o crescimento do emprego e do investimento do setor privado”, notou Rui Gomes.

Sunil Mitra, responsável do BAD em Timor-Leste, destacou a importância do projeto para melhorar os serviços existentes nas três regiões que, devido ao aumento populacional, estão já a operar “além da capacidade”.

“O projeto tornará as cidades mais habitáveis através da construção de infraestruturas de água e saneamento seguras e fortalecendo a governação e a capacidade institucional. O projeto também ajudará a reduzir a pobreza e a desigualdade através da instalação de ligações gratuitas de água para mulheres, pobres e grupos vulneráveis”, sublinha-se.

Além do empréstimo concessionado do BAD, o projeto conta ainda com um subsídio de três milhões de dólares do Global Environment Facility e uma injeção de 12,5 milhões de dólares (10,6 milhões de euros) do Governo timorense.

Por outro lado, permitirá a compra de contadores de água, sistemas de controlo e outros equipamentos, bem como “serviços de consultoria destinados a reforçar a resiliência climática do projeto”.

Dados atuais indicam que a população timorense tem vindo a crescer desde 2008 a uma média anual de 4,2% e que atualmente apenas 34% dos residentes urbanos têm acesso a água canalizada, ainda que deficiente em vários locais.

Desenvolvido em parceria com o Ministério das Obras Públicas, os Serviços Municipais de Água, Saneamento e Ambiente, e o novo plano estatal de água Bee Timor-Leste (BTL), o projeto pretende segundo o BAD “criar um roteiro de desenvolvimento institucional social e inclusivo para o género para orientar a transferência de serviços urbanos de abastecimento de água e saneamento para a BTL”.

 “O projeto irá impulsionar a participação das mulheres no setor da água, proporcionando formação e desenvolvendo um mecanismo de feedback de atendimento ao cliente”, sublinha.

A assinatura do acordo coincide com uma ‘visita virtual’, hoje, do Conselho de Administração do BAD que se reunirá por videoconferência com os responsáveis timorenses, incluindo o primeiro-ministro, Taur Matan Ruak, e o ministro das Finanças.

O Ministério das Finanças referiu que a visita virtual permitirá aos membros do Conselho de Administração do BAD conhecer aspetos do desenvolvimento que se enquadram no portfolio da instituição financeira.

“Será um impulso único para os membros relevantes do Governo reforçarem a relação com o Banco, a fim de apoiar Timor-Leste na consecução dos seus objetivos de desenvolvimento”, considerou.

Esta será a primeira reunião do tipo acolhida por Timor-Leste desde que as operações do BAD no país foram transferidas da alçada do Departamento Regional do Pacífico para o Departamento Regional do Sudeste Asiático.

Mudança que, para o Governo timorense, “reafirma ainda mais a aspiração de Timor-Leste de aderir à ASEAN”.

O encontro vai abranger várias discussões técnicas e políticas, explicou o Ministério das Finanças.

 

ASP // JMC

Lusa/FIm

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS