Televisão timorense cancela transmissão de entrevista a Eurico Guterres

A televisão privada timorense GMN TV decidiu cancelar a transmissão prevista hoje de uma entrevista com o ex-líder da milícia Aitarak Eurico Guterres acusado de vários crimes em Timor-Leste em 1999, fortemente criticadas nas redes sociais.

Televisão timorense cancela transmissão de entrevista a Eurico Guterres

Televisão timorense cancela transmissão de entrevista a Eurico Guterres

A televisão privada timorense GMN TV decidiu cancelar a transmissão prevista hoje de uma entrevista com o ex-líder da milícia Aitarak Eurico Guterres acusado de vários crimes em Timor-Leste em 1999, fortemente criticadas nas redes sociais.

“A GMN decidiu cancelar. Isto era um produto jornalístico, mas temos que respeitar a vontade do povo”, disse à Lusa o presidente da GMN TV, Jorge Serrano, explicando que a decisão foi tomada hoje numa reunião.

“Houve muitos protestos, sugestões e grande atenção à entrevista. Agradeço a confiança do público na GMN, mas este não é o momento para lançar esta entrevista”, afirmou.

Serrano disse que ainda não há decisão sobre se a entrevista será ou não transmitida, garantindo que o objetivo foi entrevistar um dos intervenientes na consulta popular de 1999 e que nunca houve uma tentativa de branquear a figura de Eurico Guterres.

“Seria impossível fazer isso aliás. Aqui toda a gente sabe quem ele é. Não precisamos ser nós a falar. Esta entrevista não tem intenção de fazer qualquer branqueamento. Insere-se apenas na comemoração do 20º aniversário”, afirmou.

“Quisemos saber o que pensa de Timor, depois dos massacres, da destruição. Não se trata de tentar melhorar a figura dele em Timor”, afirmou.

A polémica surgiu depois da GMN publicar nas suas páginas no Facebook imagens de promoção da entrevista, que foi realizada em Kupang, a capital de Timor Ocidental, a metade indonésia da ilha, e que vai ser transmitida hoje à noite.

A promoção, que define Eurico Guterres como “líder histórico”, tornou-se viral com críticas de vários quadrantes políticos que contestam o que dizem ser uma tentativa de branqueamento do papel do líder da milícia Aitarak.

As críticas, que se repetem em dezenas de ‘post’, criticam o facto da GMN estar a da voz a Guterres ignorando o sofrimento dos que lutaram pela independência do país.

Uma das vozes mais críticas tem sido a de Cris Carrascalão, filha do político timorense Manuel Carrascalão, que acusa Eurico Guterres de responsabilidade no massacre que ocorreu em abril de 1999 na sua casa, em que morreram dezenas de pessoas incluindo o seu irmão Manelito Carrascalão.

“Não vou calar! Nunca! É fácil dizer para eu esquecer e olhar para frente. Claro! Não é nenhum de vós que ficaram com o cheiro de sangue fresco na vossa sala de jantar. O cheiro não vai embora. Aquilo perdura na tua mente”, escreveu.

Eurico Guterres foi condenado em março de 2006 a 10 anos de prisão por violações de direitos humanas em Timor-Leste — uma sentença idêntica já lhe tinha sido aplicada por um tribunal ad-hoc em 2002.

Dois anos depois, porém, a sentença foi anulada pelo Supremo Tribunal indonésio e Eurico Guterres foi de imediato libertado da cadeia de Cipinang, nos arredores de Jacarta.

Na altura o seu advogado disse que a anulação da sentença se deveu a “novas provas” apresentadas pela defesa que demonstram ter havido “erros” na sentença anterior.

Mais recentemente, Eurico Guterres foi número sete na lista de candidatos do Partido Perindo à assembleia regional da província indonésia de Nusa Tenggara Timur.

Guterres, que este ano cumpre 48 anos, foi colaborador das forças indonésias e integrou a milícia Gadapaksi, grupo que se transformou em Aitarak no final de 1998 e do qual se tornou comandante.

A milícia Aitarak, que tinha a sua sede num espaço em Díli que é hoje um hotel, foi responsável, entre outros crimes, pelo ataque à casa de Manuel Carrascalão, em abril de 1999, que causou dezenas de mortos, entre eles o filho do líder timorense, Manelito.

Guterres identifica-se como “chefe da milícia dos ativistas pró-integração de Timor-Leste” na sua página no Facebook na qual nos últimos dias se multiplicaram ‘post’ de timorenses a questioná-lo sobre a entrevista.

Numa entrevista à Lusa em Jacarta em dezembro de 2015, Eurico Guterres disse não estar arrependido do que fez em Timor-Leste.

ASP // SB 

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS